Arquivo/O Estado
Serra está sensível ao fato de que Curitiba é a única capital que o PSDB tem um nome – Fruet – liderando as pesquisas.

O presidente nacional do PSDB, Sérgio Guerra, e o ex-governador de São Paulo José Serra pediram ao ex-deputado federal Gustavo Fruet que aguarde mais um pouco até decidir se deixa o partido, onde não está conseguindo abrir espaço para sua pré-candidatura a prefeito de Curitiba na eleição do próximo ano.

A orientação foi dada a Gustavo no final de semana, quando os três se encontraram na festa de casamento do filho do governador Beto Richa, André, em Curitiba.

A lógica de Serra e Guerra é numérica, segundo relato da conversa feito pelo deputado estadual Mauro Moraes (PSDB), um dos defensores da tese da candidatura própria dos tucanos à prefeitura. As pesquisas de intenções de votos internas do partido demonstram que o PSDB lidera em várias cidades com seus candidatos na sucessão municipal do próximo ano, mas Curitiba é a única capital em que o partido tem um nome à frente da disputa.

O apelo à paciência de Gustavo pode funcionar. O ex-deputado está estudando adiar a decisão sobre a permanência no partido do final deste mês para a segunda quinzena de junho. “O Gustavo acha que deve tomar esta decisão até o final do mês. Mas diante do pedido dos dois, acho que ele pode rever este prazo”, afirmou Moraes.

Na avaliação de lideranças tucanas, se Gustavo deixar o PSDB e se aliar ao PSC, comandado pelo deputado federal Ratinho Junior, cujo poder eleitoral é potencializado pelos seus veículos de comunicação, poderá ser o grande adversário da reeleição de Beto Richa em 2014.

“O governador tem uma relação de estima e amizade grande com o prefeito Luciano Ducci. Mas em política, o governador tem que ser pragmático. O que está em jogo é o futuro do partido no Paraná”, disse Moraes, sobre a preferência velada de Beto Richa pelo apoio à reeleição de Luciano Ducci (PSB).