O líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), disse nesta quarta-feira, 8, que a indicação do vice-presidente e presidente nacional do PMDB, Michel Temer, para cumprir o papel de relações-institucionais “dá outra musculatura” à interlocução entre governo e Congresso.

Para Guimarães, a escolha da presidente Dilma Rousseff estabiliza a relação entre PT e PMDB. “Não tendo estabilidade entre os dois, o resto desagrega”, disse. Ele afirmou acreditar que a qualificação de Temer, que foi presidente da Câmara, facilita o trabalho. “Ele tem diálogo com todo mundo, inclusive com a oposição. A oposição ficou tonta com essa indicação do Temer, nós acertamos na mosca”, avaliou.

Guimarães participou, nesta quarta-feira, 8, da primeira reunião de líderes da base com o vice-presidente e presidente nacional do PMDB na nova função. Na saída do encontro, o líder do governo na Câmara elogiou o trabalho do ex-chefe da Secretaria de Relações Institucionais (SRI) da Presidência da República Pepe Vargas, que deixou o posto e passa a ocupar a vaga na Secretaria de Direitos Humanos (SDH). “Nesses três meses, o governo só perdeu duas coisinhas no Congresso. O Pepe foi muito eficiente comigo nesse período”, disse.

Terceirização

Guimarães afirmou que, até a próxima semana, a Câmara deve ter votado as emendas do projeto que regulamenta a terceirização de empresas. Segundo ele, o governo tem feito uma mediação para atender aos interesses dos empresários e dos trabalhadores. Guimarães disse ainda que a aprovação do texto não causará impacto no Orçamento.

“A parte do impacto já foi resolvida, o relator incorporou todas as ponderações da Receita Federal e do Ministério da Fazenda. Foi uma boa negociação que não terá impacto nas contas públicas”, disse.