Na disputa pela Prefeitura de São Paulo, o petista Fernando Haddad fez nesta terça, em Brasília, um tour de anticandidato. Por quase duas horas, participou de uma solenidade no Superior Tribunal Militar, onde, à exceção do ministro da Defesa, Celso Amorim, e do ministro do Supremo Tribunal Federal, José Antonio Dias Toffoli, que não apareceu, foram homenageadas apenas autoridades de segundo e terceiro escalões do governo e generais.

Embora os assessores do tribunal tenham esquecido de citar o nome de Haddad nos anúncios de divulgação do evento, ele estava na lista dos que receberam a Comenda da Ordem do Mérito Judiciário. Após recebê-la, o pré-candidato petista cumprimentou jornalistas e, educadamente, disse que não iria dar entrevista.

A qualquer observação sobre a sua situação de pré-candidato, Haddad apenas sorria. E, com calma, se recusava a falar dos ataques de Marta Suplicy, que na semana passada o mandou “gastar sola de sapato”, e até da expectativa pela entrada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em sua campanha. “Vocês não teriam outro assunto?”, questionou o pré-candidato.

Ao ir embora, Haddad voltou a minimizar os problemas na sua campanha e a discussão política. Ele disse que alguns debates são “irrelevantes” e que era preciso, por exemplo, falar da dificuldade de transporte dos “11 milhões de habitantes”. Haddad, no entanto, se recusou a dar uma entrevista sobre o assunto. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.