O juiz Fernando Fischer, da 13ª Vara Criminal de Curitiba, determinou a prisão preventiva (por tempo indeterminado) do ex-governador Beto Richa (PSDB). Dos 15 presos inicialmente no âmbito da Operação Rádio Patrulha, 10 permanecerão presos pela prática dos crimes de organização criminosa, corrupção ativa e passiva, fraude à licitação e lavagem de dinheiro. A ex-primeira-dama Fernanda Richa não está no rol dos investigados que seguirão na cadeia – sua prisão temporária vence às 23h59 deste sábado (15).

+ Quem é o juiz que mandou prender Beto Richa e seus aliados

Além de Beto Richa, não têm mais prazo para serem soltos Pepe Richa (irmão do tucano e ex-secretário de Infraestrutura); Deonilson Roldo (ex-chefe de gabinete); Ezequias Moreira (ex-secretário do Cerimonial); Luiz Abi (primo do ex-governador); Edson Casagrande (ex-secretário de Assuntos Estratégicos e empresário da Terra Brasil); Celso Frare (empresário da Ouro Verde); Aldair Petry (ex-diretor geral da Secretaria de Infraestrutura do DER-PR); Dirceu Pupo (contador); e Túlio Bandeira (procurador de Edson Casagrande).

Por outro lado, além de Fernanda Richa, poderão ganhar a liberdade após os cinco dias da prisão temporária André Bandeira (procurador de Edson Casagrande); Joel Malucelli empresário da J. Malucelli); Emerson Savanhago (laranja de Edson Casagrande); e Robison Savanhago (laranja de Edson Casagrande).

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Preso, empresário faz cheque de quase R$ 1 milhão pra devolver grana desviada