O juiz Evandro Neiva de Amorim, do Distrito Federal, determinou a soltura do doleiro Fayed Treboulsi, preso por suspeita de envolvimento com um esquema de desvio de recursos de fundos de pensão. A decisão é sigilosa. A revogação da prisão foi feita porque o inquérito ter sido transferido para o Supremo Tribunal Federal (STF) por suspeita de participação de autoridades no esquema. No Brasil, investigações contra autoridades como parlamentares devem tramitar no STF. Essa prerrogativa é conhecida como foro privilegiado.

O esquema de desvio de recursos foi levado a público pela Operação Miqueias, deflagrada no dia 19 pela Polícia Federal (PF). Essa ação desarticulou um esquema de lavagem de dinheiro que movimentou R$ 300 milhões num período de um ano e seis meses e causou prejuízos de R$ 50 milhões a fundos de pensão municipais. O plano atingiu vários Estados, mas era comandado a partir de Brasília.