O deputado estadual Ney Leprevost apresentou, nesta quarta-feira, uma certidão negativa obtida junto ao Tribunal de Contas da União, em que o TCU afirma não haver nenhum processo em que o deputado (que está trocando o PP pelo PSD) seja investigado. Leprevost foi atrás da certidão para “responder aos que insistem em tentar me ligar ao caso da Iabras (organização acusada de desvios em verbas recebidas do Ministério do Turismo)”.

Relatório do TCU aponta indícios de desvios de R$ 2 milhões pelo Iabras, de verbas recebidas para a promoção de eventos comemorativos no Paraná. Leprevost foi citado pelo fato de uma das empresas contratadas pelo Iabras ser a CWB Brasil, que tem seu irmão, João Guilherme Leprevost como um dos sócios. “Eu não tenho nenhuma participação na empresa do meu irmão, e, também, não exerço nenhuma influência para conseguir emendas parlamentares. Como podem querer relacionar um deputado estadual com verbas do Ministério do Turismo? Isso não existe”, disse. A emenda que liberou recursos para a Iabras foi assinada pelo deputado federal Alfredo Kaefer (PSDB).

O deputado disse que já questionou seu irmão sobre os eventos e que foi informado que “todos os eventos foram realizados, filmados e documentados. A CWB é uma empresa grande, faz grandes shows em Curitiba e região e tem como principal clientela a iniciativa privada, quase não trabalha com órgãos públicos”, comentou. “Mas, se me perseguem porque têm um documento do TCU com o meu nome. Agora tenho a resposta, também, com um documento do TCU”, concluiu, justificando o pedido da certidão negativa.