O líder do Governo na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), deputado Barros Munhoz (PSDB), reagiu ao pedido feito pela bancada do PT de afastamento de agentes públicos envolvidos na suposta formação de cartel em licitações do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

Segundo o deputado tucano, “as denúncias às quais se referem os deputados do PT já estão sendo devidamente investigadas nas esferas federal e estadual”. “O pedido, feito pela bancada desse partido, de afastamento de autoridades, sem que tenha sido concluída a apuração dos fatos, é mais uma demonstração explícita de desrespeito aos mais básicos princípios do Estado Democrático de Direito”, afirmou, em nota. “Isso não passa de mais uma manobra midiática de parlamentares oposicionistas com foco nas eleições do ano que vem.”

O líder do PT na Alesp, Luiz Claudio Marcolino, defendeu nesta sexta-feira o afastamento de agentes para evitar possíveis interferências no processo investigativo. “Há vários agentes atuais que estavam (no governo) na época dos contratos. O que pode acontecer é, caso eles não sejam afastados, criarem um processo de ocultação de provas e dificultar o processo de investigação”, afirmou.

Além disso, a bancada petista pediu a suspensão imediata dos contratos firmados entre o Estado e as empresas Alstom e Siemens, suspeitas de participação no suposto cartel.

O líder tucano destacou que governo paulista tem colaborado para elucidar as denúncias. “Além de todas as apurações já em andamento sobre essas acusações, o Governo do Estado de São Paulo criou hoje uma comissão externa independente para investigar todos os seus contratos”, ressaltou.

Segundo Munhoz, a iniciativa do governador Geraldo Alckmin tem como objetivo “garantir uma investigação célere e independente” e demonstra que o governo “tem pleno interesse em elucidar os fatos o mais brevemente possível”.