O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fez ontem, em Curitiba, seu último comício como presidente da República no Paraná.

O evento, em benefício da campanha da candidata Dilma Rousseff (PT) ao Palácio do Planalto, também pode ter sido a última visita de Lula, como presidente, à capital paranaense.

O presidente tem, ainda três meses de mandato, mas não há previsão de retorno a Curitiba. O encontro de ontem à noite na Cidade Industrial de Curitiba foi uma mistura de pedido de votos para Dilma e também a última ocasião para homenagens.

O aniversário do Lula é hoje e o governador Orlando Pessuti (PMDB) puxou o coro de “parabéns a você”, ao mesmo tempo em que o sistema de som apresentava o jingle da campanha presidencial de 1989, arrancando lágrimas de Lula. A primeira frase de Lula foi: “Estou terminando oito anos de mandato com a compreensão de muita gente que nunca votou em mim por medo”.

O presidente ainda disse que o povo foi educado a não acreditar em si mesmo, “só nos que estão acima”. “Se eu falhasse o povo nunca mais chegaria ao governo. Por isso tivemos que fazer muito mais do que os que governaram antes de nós”, disse o presidente.

“Mesmo que os que me antecederam tivessem lido mais livros do que eu, tendo mais aulas do que eu. Mas eu tinha certeza de que nenhum deles entendia de povo metade do que eu entendia”, afirmou o presidente.

Ao contrário do primeiro turno, em que Lula e Dilma estiveram, juntos, três vezes no Paraná (dois comícios em Curitiba e um em Foz do Iguaçu), neste segundo turno a candidata e o presidente vieram em momentos distintos.

Dilma esteve em Curitiba e Pinhais na quinta-feira passada. Ontem, Lula veio sozinho, acompanhado, no palanque, pelo governador Orlando Pessuti (PMDB), pelos senadores eleitos Gleisi Hoffmann (PT) e Roberto Requião (PMDB) e pelo senador Osmar Dias (PDT), que disputou o governo do Paraná coligado com o PT, além de ministros e deputados da base.

Os pronunciamentos de Osmar e Pessuti também foram emocionados. A estratégia da campanha foi a de construir agendas diferentes para Dilma e Lula, mantendo a campanha mobilizada em várias regiões ao mesmo tempo. Enquanto o presidente discursava na Cidade Industrial de Curitiba, Dilma fazia campanha em Vitória da Conquista – BA.

Assim como no último comício do primeiro turno, Lula preferiu um bairro da periferia ao centro da capital. Na CIC, bairro mais populoso da cidade, o PT acredita ter mais chance de tirar votos de José Serra (PSDB), que venceu o primeiro turno em Curitiba com 44% dos votos válidos, contra 26% de Dilma.

Para isso, todos os aliados que discursaram antes do presidente destacaram as obras do governo federal nos bairros da capital, como o PAC do Saneamento e o Minha Casa, Minha Vida.

Em Curitiba, Lula destacou as qualidades de sua candidata a sucedê-lo e criticou a tentativa de desconstrução da imagem de Dilma, segundo ele, a única estratégia tucana nesta campanha.

Mais cedo, em solenidade sobre mudanças climáticas, no Palácio do Planalto, Lula ironizou a suposta agressão sofrida por Serra na última quarta-feira, no Rio de Janeiro.

“Vencemos uma etapa importante na discussão do clima. Aos poucos, nós vamos compreendendo que ninguém é melhor do que ninguém, que o governo não se tranca numa redoma de vidro e acha que quem não concorda com o governo é contra”, disse.