Foto: Agência Brasil

Lula: presidente investe pesado para recuperar imagem.

Na ofensiva do ano eleitoral, o Palácio do Planalto deu início a uma forte campanha publicitária sobre as realizações do governo federal em cinco dos seis estados mais populosos e no Distrito Federal. A propaganda será levada para os estados onde há virtuais candidatos a presidente da República e onde a imagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva sofreu desgastes. A campanha custou R$ 20 milhões, foi feita pela agência Lew, Lara, e terá duração de 15 dias, de acordo com informações do Planalto. Foi desenvolvida de maneira a destacar as realizações do governo em cada estado.

Anteontem, dentro da ofensiva do governo federal para mostrar suas realizações, o presidente Lula lançou um pacote de obras de infra-estrutura em rodovias, hidrovias e energia que supera tudo o que fez nos três primeiros anos de governo. Em março, será leiloado o ramal Norte da Ferrovia Norte-Sul, com 720 quilômetros; em abril, aberta a concessão de oito rodovias no Sudeste e Sul e, em maio, ofertadas seis hidrelétricas, entre elas duas em Rondônia, que custarão R$ 20 bilhões. Os compradores poderão contar com empréstimos no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), corrigidos pela TJLP mais 1,5% ao ano. Poderão ter, ainda, a sociedade dos fundos de pensão. Além do mais, na segunda-feira o governo dá início à operação tapa-buracos de 26.441 quilômetros de rodovias.

Dos seis estados mais populosos, somente a Bahia, em quarto, não assiste à campanha na televisão, não a ouve no rádio nem a vê em outdoors. A Bahia, porém, não tem pré-candidato de nenhum partido a presidente da República. O programa Bolsa-Família, que será muito explorado como fator de realização social e apelo eleitoral na campanha à reeleição do presidente Lula, caso ele decida ser candidato, está presente em todas as regiões em que é feita a campanha.

Em São Paulo, onde são pré-candidatos o governador Geraldo Alckmin e o prefeito José Serra, ambos tucanos, as peças publicitárias do governo federal enaltecem, além do Bolsa Família, os programas Universidade para Todos (ProUni), Brasil sorridente, Samu (Serviço Ambulatorial de Urgência), projetos habitacionais e de saneamento, de regularização fundiária, de alfabetização, e a duplicação e recuperação da BR-116 (Régis Bittencourt), que liga São Paulo a Curitiba. De acordo com os últimos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), São Paulo tem 37.032.413 habitantes.

O segundo Estado mais populoso do Brasil, Minas Gerais, com 17.891.494 habitantes, tem o governador Aécio Neves (PSDB) como pré-candidato à sucessão de Lula. Ali, a campanha publicitária do governo federal abordará os benefícios do Bolsa Família – que segundo o governo alcançou 8,7 milhões de famílias em todo o Brasil -, o Programa de Financiamento da Agricultura Familiar (Pronaf), o Luz para todos, as verbas para a construção do metrô de Belo Horizonte, a duplicação da Rodovia Fernão Dias e o apoio às universidades.

Terceiro estado mais populoso, com 14.391.282 habitantes segundo o IBGE, o Rio de Janeiro tem como pré-candidato o ex-governador Anthony Garotinho (PMDB), feroz opositor do presidente Lula. No Rio, a campanha publicitária do governo federal chama a atenção para o alcance do Bolsa Família, para as 450 mil vagas para carentes criadas pelo ProUni, para a retomada da indústria naval, a construção da plataforma P-50 da Petrobras os projetos de habitação, a melhoria dos aeroportos, a criação da Universidade Federal de Nova Iguaçu e a ampliação da Refinaria Duque de Caxias.

No Rio Grande do Sul, estado com 10.187.798 habitantes, onde o governador Germano Rigotto (PMDB) também é pré-candidato a presidente, a propaganda trata do Bolsa Família, do Pronaf e do combate à seca, projetos habitacionais, prevenção à cárie, a recuperação e duplicação da BR-101, e a importância do ProUni.

O governador do Paraná, Roberto Requião (PMDB), foi um dos primeiros aliados do presidente Lula. E, agora, também quer disputar a Presidência da República. Por isso, o governo federal também levou para o Estado sua campanha. Os 9.563.458 habitantes do Estado poderão ver pela TV, rádio e outdoors propaganda do Bolsa Família, do Pronaf, do projeto de prevenção à cárie, da criação da Universidade Tecnológica, da grandiosidade de Itaipu e da recuperação da Régis Bittencourt. A sexta unidade da federação a ver e ouvir a propaganda do governo federal é Brasília, que tem apenas 2.051.146 habitantes.