O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) desembarca hoje cedo em Curitiba para uma série de compromissos oficiais no Paraná. Lula participa da inauguração de novas unidades de refino da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), em Araucária, visita as instalações da Positivo Informática, em Curitiba e parte para Londrina, onde, à tarde, inaugura um novo serviço da Portugal Telecom na cidade do norte do Estado.

Mesmo sem agenda política no Estado, são as conversas que Lula pode ter entre uma visita e outra nessa rápida passagem pelo Paraná (o presidente voltará para Brasília no final da tarde) que mais alimentam especulações.

Acompanhado dos ministros Dilma Rousseff (Casa Civil), Paulo Bernardo (Planejamento), Reinhold Stephanes (Agricultura), Miguel Jorge (Indústria e Comércio), Lula será recebido pelo governador Roberto Requião (PMDB) e também terá a companhia do senador Osmar Dias (PDT).

Contrariando o seu comportamento recente, o governador Roberto Requião (PMDB) irá receber o presidente Lula, em Curitiba. Nas duas viagens anteriores de Lula ao Paraná, Requião viajou e foi representado pelo vice-governador, Orlando Pessuti (PMDB).

O governador encontra Lula uma semana depois que o PT anunciou a saída do seu governo, embora os dois secretários indicados pelo partido, Valter Bianchini (Agricultura) e Lygia Pupatto (Ensino Superior), ainda permaneçam em seus cargos.

A assessoria de comunicação do governador confirmou a participação de Requião na recepção a Lula, atribuindo as versões de que, mais uma vez, Requião estaria fora do palanque presidencial, ao grupo de peemedebistas que pressiona para convencê-lo a fazer uma aliança com o prefeito de Curitiba, Beto Richa (PSDB), para a disputa ao governo do Estado.

O governador irá dividir as atenções na visita de Lula com o senador Osmar Dias, pré-candidato do PDT ao governo a quem o PT oferece apoio no Paraná. Requião se recusa a discutir o apoio ao pedetista, seu adversário nas eleições de 2006, apesar dos pedidos de Lula para que componha um palanque com Osmar no Paraná.

O governador também terá que compartilhar espaço com o ministro Paulo Bernardo, que estará acompanhando Lula em Curitiba. Bernardo está acionando judicialmente Requião, que o acusou de tentar superfaturar uma obra ferroviária no Estado.

Cortejado pelo PT para uma coligação nas eleições de outubro, Osmar terá mais uma oportunidade de passar o dia com Lula e a presidenciável do PT, Dilma Rousseff. Osmar disse que acompanhará Lula durante toda a sua estada no Paraná.

“Vou esperá-lo em Araucária, para a visita à Repar e vou com ele para Londrina”, contou. Osmar disse que não tem nenhum assunto especial que pretenda conversar com o presidente. “Vou conversar sobre o que ele quiser conversar. Se ele quiser falar sobre aliança, vamos falar. Se quiser conversar sobre o PAC, vamos conversar”, disse.

Sobre a possibilidade de aproveitar a presença de Lula no Estado para confirmar a aliança, Osmar disse não achar esse o tempo certo. “Que aliança já foi anunciada até agora? Nenhuma. Por que eu tenho que anunciar a minha aliança?”, questionou.

Visita oficial para inaugurar obras de ampliação da Repar

Roger Pereira

O presidente Lula vem ao Paraná para a cerimônia de conclusão da primeira etapa das obras de ampliação da Repar. São 19 novas unidades construídas com um investimento de US$ 5,4 bilhões.

Nesta primeira etapa, serão entregues a Unidade de Produção de Propeno, um Centro Integrado de Controle e um Centro de Treinamento de Combate a Incêndio, além de unidades auxiliares. O processo de ,ampliação, iniciado em 2006, deverá ser concluído até 2012.

“Esse investimento que está sendo feito na nossa refinaria representa mais que todos já feitos pela Petrobras no Paraná”, disse o gerente geral da Repar, João Adolfo Oderich. “As obras não representam crescimento da representatividade da Repar dentro da Petrobrás (hoje a refinaria é responsável por 14% do refino da empresa no país), por conta das quatro novas refinarias criadas, mas significa melhoria da qualidade de nosso produto”, acrescentou.

As obras de ampliação da Repar foram apontadas como contendo indícios de irregularidades pelo Tribunal de Contas da União (TCU) em setembro passado, com a avaliação de 219 obras, a maioria do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Restrição à competitividade de licitação foi a principal irregularidade apontada pelo TCU, que chegou a sugerir a paralisação das obras. “Somos permanentemente auditados por órgãos internos e externos. Todas as vezes que somos questionados nessas auditorias, esclarecemos qualquer dúvida”, disse Oderich.

O presidente Lula ainda visitará a Positivo Informática, na Cidade Industrial de Curitiba, antes de partir para Londrina, onde inaugura o novo site de contact center (telemarketing) da Dedic, empresa da Portugal Telecom.