Foto: Agência Brasil

Lula: a economia se arrastou como o xaxado.

A apenas um mês do primeiro turno da eleição, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou ontem a bater duro no PSDB e no PFL. Em discurso a uma platéia de empresários, na Confederação Nacional da Indústria (CNI), Lula afirmou que, nas duas décadas que antecederam seu governo, o País viveu no ?ritmo do xaxado?. Sem crescimento econômico, distribuição de renda nem garantia de investimentos externos, insistiu ele, o Brasil foi vítima da crise do apagão em 2001, durante o governo Fernando Henrique. Em sua argumentação, sinalizou aos industriais que aposta no Programa Nacional de Biocombustíveis como uma alternativa a mais contra riscos futuros de fornecimento de energia.

?Passamos praticamente 20 anos em que a economia brasileira se arrastou, mais ou menos como o xaxado?, disse Lula, provocando risos da platéia. ?É verdade, só arrastava o pé, porque se levantasse, gastava muita energia. Só veio a aparecer em 2001, quando o Brasil potente, vendido com galhardia pelos quatro cantos do mundo, foi vítima de um apagão, que pouca gente esperava que fosse acontecer?, ironizou, ao criticar a ausência de investimentos e de planejamento do setor.

?É preciso estar fazendo check-up cotidianamente, analisando por dentro e por fora. Porque na hora em que a gente der qualquer sinal ao mundo de fragilidade no oferecimento de energia, quem será o louco que vai investir no País??, atacou. ?Ninguém coloca a mão em cumbuca, ninguém investe dinheiro para perder.? O companheiro de chapa de Alckmin, José Jorge (PFL-PE), era justamente o titular da pasta de Minas e Energia em 2001 e recebera, da oposição, a alcunha de ?ministro do apagão?. Curiosamente, José Jorge é um incentivador da cultura popular nordestina e de manifestações como o xaxado.