O deputado estadual Mauro Moraes (PMDB), causou constrangimento no PMDB ao defender publicamente, ontem que o partido faça composição com PSDB ou PDT para as eleições ao governo do Estado em 2010.

Dizendo que o partido não tem nome para enfrentar os candidatos que se apresentam para a sucessão de Roberto Requião (PMDB), Moraes defendeu que o partido se contente em indicar o candidato a vice-governador para “evitar um fiasco eleitoral”.

“Em que pese sermos o maior partido do Estado, tendo o governador e a maior bancada de deputados, ninguém em nosso quadro tem condições de enfrentar nomes como o de Osmar Dias (PDT), Beto Richa (PSDB) ou Alvaro Dias (PSDB). Temos que usar a cabeça para não repetirmos o fiasco que foi a eleição do ano passado em Curitiba”, disse, lembrando o fraco desempenho de Carlos Moreira (PMDB) que teve menos de 2% dos votos para a prefeitura da capital.

Para Moraes, esse é o momento de se aproximar das legendas consideradas favoritas para eleger o governador em 2010. “Assim teríamos saída honrosa, fazendo o vice-governador e garantindo, na composição, uma cadeira no Senado”, disse, já indicando o nome do deputado Alexandre Curi para a vice-governadoria e de Requião para o Senado.

O deputado acredita, até, que a composição com outra grande legenda favoreceria a manutenção das 16 cadeiras do partido na Assembleia Legislativa. “Apesar de a candidatura própria dar visibilidade ao partido, teríamos dificuldade em conseguir novos candidatos para somar votos. Ninguém quer ser candidato num partido que já tem 16 deputados. Com a coligação teríamos mais chances”, declarou.

As declarações de Moraes irritaram o líder do governador Requião na Assembleia, Luiz Cláudio Romanelli (PMDB). Para ele essa é uma questão a ser debatida internamente. “O Mauro Moraes tinha que apresentar essa ideia para o partido e não ao público. Ele sabe que já temos um candidato, que é o vice-governador Orlando Pessuti”, respondeu.

“Não estamos descartando a possibilidade de alianças, mas, no momento, o PMDB trabalha para fortalecer a candidatura do Pessuti e, no momento certo avaliar suas possibilidades. Mas tudo isso se discute internamente”, concluiu.

Citado por Moraes como o candidato ideal a vice-governador, o deputado Alexandre Curi reforçou o discurso pró-Pessuti. “Está muito cedo para discutir 2010, mas a bancada do partido já fechou questão em defender a candidatura do Pessuti. Agradeço a lembrança do meu nome, mas sou um homem do partido e vou cumprir a orientação de defender a candidatura própria, a candidatura do Pessuti”, disse. “Se, mais para frente, essa candidatura se revelar muito difícil, daí sim aceito pensar numa composição”, concluiu.