O Ministério Público do Paraná se manifestou ontem a respeito das declarações da promotora de Justiça Maria Aparecida Mello da Silva. Segundo o MP, a promotora de Justiça continua como titular da Promotoria de Antonina, cargo que ocupa desde janeiro de 1997. Ela não está atualmente exercendo suas funções em razão de licença para tratamento de sua saúde. No ano passado, segundo a nota distribuída pelo MP, ela praticamente não exerceu suas funções devido a sucessivos pedidos de licença para tratamento de saúde, férias e licença especial, formulados por ela própria, todos deferidos. Desde o início deste ano, da mesma forma, ela não trabalhou na Promotoria de Justiça de Antonina, pelas mesmas razões.

“A promotora foi afastada apenas das funções eleitorais da comarca de Antonina, em 29 de setembro de 2000, após parecer do Ministério Público Federal, por ser parte em ação contra um dos candidatos. A Procuradoria Regional Eleitoral entendeu que ela não tinha a imparcialidade necessária para continuar a exercer a função eleitoral, uma vez que ela havia apresentado queixas-crime (por crime contra a honra) contra a prefeita, Munira Peluso, então candidata à reeleição.