Em meio à polêmica sobre que órgão público pode firmar acordo de leniência com investigados por cartel na Operação Lava Jato, o advogado João Mestieri avalia categoricamente. “O Ministério Público Federal é a autoridade competente para oferecer, acompanhar e assinar o acordo de leniência, caso a caso, por delegação do Procurador Geral da Republica”, afirma.

Mestieri considera que “a grande razão para o Ministério Público Federal firmar um acordo de leniência é o interesse público”.

O advogado atua na Lava Jato como defensor do engenheiro Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras que, em 2004, chegou ao cargo como cota do Partido Progressista no esquema de corrupção e cartel das maiores empreiteiras do País – instalado na estatal petrolífera desde aquele ano até 2014.

Paulo Roberto Costa é o primeiro delator da Lava Jato. O ex-diretor revelou os nomes de 28 deputados, senadores, ex-parlamentares e ex-ministros supostamente beneficiados por propinas no esquema.