O Ministério Público do Estado (MPE) apresentou ontem nova denúncia criminal sobre o esquema de contratação de funcionários fantasmas e desvios de dinheiro da AL.

Contra 13 pessoas, a denúncia dá conta de um desvio de R$ 13 milhões dos cofres do Legislativo, referentes à contratação de parentes e pessoas próximas ao corretor Daor Afonso Marins de Oliveira.

Daor é considerado foragido pela Justiça, que decretou sua prisão preventiva. O MPE aponta 18 casos que caracterizam crimes de formação de quadrilha, peculato, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro, relacionados à contratação de servidores comissionados pela AL com o propósito de desviar verba pública em benefício de um grupo.

“Daor pedia a familiares que fornecessem documentos para que seus nomes fossem incluídos na folha de pagamento da AL. Algumas pessoas sabiam que seus nomes seriam usados indevidamente. Outras não”, disse o promotor Denílson Soares de Almeida.