Principal aliado da presidente Dilma Rousseff na terra de Marina Silva, o governador do Acre, Tião Viana (PT), candidato à reeleição, se nega a seguir a receita de seu partido para desidratar a candidata do PSB, favorita para vencer as eleições num eventual segundo turno. Ele diz que não vai criticar a ex-ministra na campanha e apontar eventuais contradições de seu discurso, embora reconheça, segundo sondagens da própria legenda, que ela já tomou a dianteira das pesquisas no Estado.

“Não falo mal da Marina”, avisa, acrescentando que isso não lhe faria bem. Amigo da ex-ministra, Tião tem o apoio dela e do PSB no Estado. Um confronto poderia ainda prejudicá-lo nas eleições locais. Ele garante, no entanto, empenho por Dilma. “A Marina nasceu aqui, cresceu aqui e ela tem uma relação de amizade com a gente. É uma pessoa que respeitamos. O Eduardo Campos, em vida, declarou publicamente apoio ao nosso projeto. A Rede não lançou candidato (no Acre). O esposo dela (Fábio Vaz de Lima, ex-secretário adjunto que deixou o governo para ajudar na campanha da presidenciável) faz a campanha para mim. Temos essa questão de coerência e de respeito. Agora, nossa luta intensa é pela eleição da presidenta Dilma”, diz o governador.

Segundo Viana, Marina está ganhando um espaço de votação expressivo no Acre. “Ela está na faixa de 44% e a presidenta Dilma, na faixa de 34% (segundo pesquisa diária feita pelo PT, concluída anteontem). O Aécio tem 17%”, diz ele.