O ex-ministro Delfim Netto foi o convidado do Mariana Godoy Entrevista da última sexta-feira (22). Durante sua participação, o experiente economista falou sobre a atual crise política, destacando não acreditar que a democracia brasileira corra algum risco por conta do processo de impeachment da presidente Dilma.

“Não há nenhum risco para a democracia do país, pelo contrário, acho que a partir da Constituição de 88 as instituições democráticas estão se aperfeiçoando. Já tivemos percalços enormes, fizemos um impeachment e prosseguimos depois com nosso caminho”.

Ainda sobre o assunto, o ex-ministro acrescentou não defender a ideia do ‘golpe’. “Na verdade esse é um mecanismo de defesa. Eu particularmente nunca defendi o impeachment, mas as transgressões fiscais aconteceram”, ponderou.

Respondendo perguntas das redes sociais, o professor-emérito da USP disse que ‘infelizmente’ enxerga a efetivação do impeachment com maior probabilidade e defendeu que novas eleições também representariam uma ‘quebra no caminho natural’.

O economista aproveitou também para mandar um recado para os telespectadores: “Tem alguém em Brasília que não foi eleito por algum dos senhores?”. “O Congresso é produto da sociedade, ninguém chegou lá por acaso (…). É uma emanação da sociedade e ela não compreende que só pode falar uma vez a cada quatro anos”, completou.

Ao analisar as decisões que trouxeram o país ao atual cenário econômico, Delfim Netto disparou: “A crise só surgiu porque a política econômica cometeu alguns exageros e jogou o país numa recessão”. O economista citou a importância da recuperação da confiança dos brasileiros para que o governo retome o crescimento, relembrando que a saída de Dilma não acabará com os problemas já instaurados no país.

Sobre o governo do Partido dos Trabalhadores e seu impacto na administração de Dilma Rousseff, Delfim Netto não poupou críticas. “Quem impediu que a Dilma fizesse as reformas? Foi o PT! O maior inimigo da Dilma foi o PT. O PT destruiu a Dilma.

O Nelson Barbosa fez um programa bastante razoável para minimizar o problema dos estados e municípios, mas impondo condições. O que fez o PT? Aprovou as benesses e recusou as obrigações. A Dilma não conseguiu controlar sequer o seu partido”. O economista defendeu ainda a ideia de que a presidente ‘perdeu o protagonismo necessário para fazer funcionar um sistema como o nosso’. “A Dilma é absolutamente honesta. Ninguém vai dizer que a Dilma pegou 10 centavos, de jeito nenhum. Ela tem até honestidade de propósito, só que ela não sabia o que fazer”.

Ainda no programa, Delfim Netto destacou que a saída da presidente muda a perspectiva de crescimento do país e opinou a respeito de Michel Temer assumir a presidência. “O Temer é um dos poucos políticos que tem chance de transcender a posição de político e se transformar num estadista”, afirmou.

O programa Mariana Godoy Entrevista vai ao ar todas as sextas-feiras, ao vivo, às 23h10 na RedeTV!