Caciques do PSDB escalados pela campanha tucana à Presidência para tentar transferir para o candidato José Serra a votação obtida pelo governador eleito Geraldo Alckmin em São Paulo já percorrem as principais regiões do interior. O vice-governador eleito Guilherme Afif Domingos (DEM) reuniu-se hoje, em Sorocaba (SP), com 12 prefeitos da região.

Ele disse que Serra está entre 3 e 4 milhões de votos atrás da candidata do PT, Dilma Rousseff. “Temos condições de tirar essa diferença em São Paulo”, afirmou. A chamada “onda azul” pela eleição de Serra é capitaneada pelo governador eleito e conta ainda com o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), o secretário estadual de Educação Paulo Renato (PSDB), o senador eleito Aloysio Nunes (PSDB) e o coordenador tucano Sidney Beraldo (PSDB).

Em um clube de Sorocaba, Afif pediu aos prefeitos todo empenho para que o eleitor de Alckmin vote em Serra no segundo turno. O governador eleito teve 11.519.314 votos no Estado, enquanto Serra obteve 9.524.050. “Além dessa diferença de dois milhões de votos, vamos trabalhar também o eleitor que votou na Marina Silva (candidata do PV)”, falou.

Os prefeitos receberam cartas assinadas por Alckmin e por Aloysio agradecendo a votação e pedindo votos para o tucano. Em Sorocaba, o evento reuniu as duas alas do PSDB na cidade, uma delas comandada pelo prefeito Vitor Lippi, a outra pelo deputado federal Renato Amary, que não se reelegeu. “Estamos conversando para unir o PSDB daqui, que é muito tradicional e importante”, disse Afif. Na cidade, Serra teve 120.874 votos no primeiro turno e Dilma, 111.184. Já Alckmin recebeu 152.074 votos. De Sorocaba, Afif seguiu para Valinhos na sequência da maratona.