Foto: Barbara Frommann

Beto Richa na Alemanha.

A Conferência das Partes sobre Diversidade Biológica (COP 9) da Organização das Nações Unidas (ONU), em Bonn, na Alemanha, aprovou, ontem, a proposta de Curitiba para uma participação efetiva das cidades nas decisões sobre a biodiversidade.

A proposta foi apresentada na COP 9 pelo prefeito Beto Richa (PSDB), em nome dos prefeitos de todo o mundo. Com a aprovação, as cidades passam a ser membros oficiais da Conferência da ONU, que acontece a cada dois anos.

Até esta edição, as cidades tinham uma participação paralela nas COPs, somente chefes e ministros de Estado participavam do segmento de alto nível das conferências da ONU.

?É uma honra para Curitiba ter contribuído para esta conquista. É uma vitória para todas as cidades do mundo, que agora terão sua voz mais respeitada nas questões da biodiversidade?, disse Beto. A COP 10 será em Nagoya, no Japão, em 2010.

A proposta começou a ser formatada em março de 2007, quando Curitiba sediou a Conferência Preparatória para a COP 9 e Beto foi escolhido pelos prefeitos para levar a reivindicação para a conferência na Alemanha.

Ontem, Beto, que liderou o segmento dos prefeitos na COP 9, discursou no segmento ministerial de alto nível, que foi aberto pela chanceler alemã Angela Merkel e pelo primeiro-ministro do Canadá, Stephen Harper, e reuniu 87 ministros de Estado, entre eles o ministro do Meio Ambiente do Brasil, Carlos Minc. Em sua nona edição, foi a primeira vez que o segmento ministerial de alto nível da COP abriu espaço para a manifestação de prefeitos.

Em suas apresentações, o prefeito de Curitiba disse que a gestão urbana é o principal mecanismo organizador das formas de ocupação e uso de considerável parte da superfície da Terra.

?As ações que mantêm a biodiversidade no planeta são, em sua grande maioria, colocadas em prática mediante o trabalho das administrações locais?, disse Beto Richa. ?Se quisermos convencer a maioria dos homens da imperiosa necessidade de conservar os recursos naturais, é nas cidades que devemos apresentar os nossos argumentos, por meio de ações decorrentes do planejamento urbano?, concluiu.