Parlamentares da oposição conseguiram prorrogar até o dia 13 de janeiro de 2011 a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, a CPI do MST – destinada a investigar o repasse de recursos públicos à entidades ligadas ao Movimento.

Eles surpreenderam colegas da base governista, ao apresentar hoje o apoio de 176 deputados e 37 senadores para estender os trabalhos da Comissão. “Eles foram pegos de surpresa”, afirmou o vice-presidente da CPI, Onyx Lorenzoni (DEM/RS).

Segundo ele, estava prevista na sessão de hoje a leitura do parecer do relator, Jilmar Tatto (PT/SP). “Seria uma relatório chapa branquíssima, que não levaria a nada, por isso estendemos o trabalho”, disse Lorenzoni.

Em decorrência do recesso branco, em que muitos parlamentares se ausentam para cuidar das campanhas eleitorais, Lorenzoni prevê que a CPI só deve reiniciar suas atividades depois das eleições de outubro.