O prefeito Fernando Haddad (PT) levou para seu governo alguns dos jovens que organizaram no ano passado o Festival Existe Amor em SP, evento que levou cerca de 10 mil pessoas para a Praça Roosevelt, no centro paulistano. Na época, os integrantes da festa tinham como um dos bordões “Fora Russomano”, então segundo colocado nas pesquisas na disputa das eleições municipais, à frente de Haddad.

Para ser chefe de gabinete de Juca Ferreira, secretário municipal de Cultura, Haddad chamou Rodrigo Savazoni, um dos criadores da Casa de Cultura Digital e um dos principais organizadores do Existe Amor em SP. O prefeito também chamou integrantes de coletivos dedicados à cultura alternativa, como Matilha Cultural, Fora do Eixo e Voodoohop, para ter assentos no Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social e para conselhos da Secretaria Municipal de Direitos Humanos.

Pedro Alexandre Sanches, um dos agitadores do evento na Praça Roosevelt em 2012, hoje faz o blog oficial da Virada Cultural. Integrantes dos coletivos de cultura alternativa também vão participar das discussões sobre o novo Plano Diretor, que o governo petista deve encaminhar à Câmara Municipal até o final do ano. Alê Yousseuf, também agitador do Existe Amor em SP, é o curador da virada.

Na época da festa na Praça Roosevelt, os organizadores, porém, negavam estar fazendo manifestação a favor de Haddad e ligação direta com o PT. O prefeito tem afirmado que considera muito importante ouvir jovens militantes que conseguem mobilizar e organizar as pessoas por meio da internet, como as redes Fora do Eixo, Voodoohop, Casa da Cultura Digital e Matilha Cultural. “É até bom você trazer para o governo pessoas com visão crítica e que apontem os defeitos”, argumenta o vereador Paulo Fiorilo (PT). “São coletivos que adquiriram expressão na cidade, e que merecem ser ouvidos.”