A decisão do senador Osmar Dias (PDT) sobre sua candidatura ao governo do Estado ou ao Senado só deve mesmo ocorrer no final do dia de amanhã. Ontem, o PDT emitiu nota adiando a reunião da Executiva que finalizará a convenção do partido de hoje para amanhã.

A alegação, segundo a nota é a “melhor adequação da formatação das alianças”. Até amanhã, o PDT do Paraná espera que já esteja definido se Alvaro Dias (PSDB) será ou não candidato a vice-presidente de José Serra (PSDB).

Osmar, PT e PMDB estavam praticamente com a aliança fechada quando foram surpreendidos pelo anúncio do PSDB que “veio complicar a resolução que nós estávamos encaminhando aqui porque o senador Osmar Dias ficou numa posição desconfortável perante a família com essa possível candidatura do irmão”, como explicou o presidente estadual do PMDB, Waldyr Puglieisi.

O senador pedetista já tinha dito em várias reuniões que não disputaria contra o irmão. Por isso, hoje, tanto PT como PMDB trabalham com o cenário em que Osmar disputaria a reeleição para o Senado e já estudam alternativas como a aliança em torno da candidatura à reeleição de Orlando Pessuti (PMDB), ou a construção de um palanque duplo para Dilma Rousseff no Paraná, com Pessuti e um candidato do PT

O mais recente capítulo da novela ocorreu no final de semana, com pelo menos duas reviravoltas. Na manhã de sábado, Osmar estava pronto para anunciar sua candidatura.

Uma última conversa com Pessuti, na hora do almoço, definiria o nome do vice e os demais detalhes da coligação, mas, depois de mais de duas horas reunidos, não houve anúncio e Osmar saiu da reunião menos candidato do que quando entrou.

Pessuti então passou a ser o nome mais cotado como candidato da base de Lula ao governo, também chegou a convocar a imprensa para a sede do PMDB, onde anunciaria sua candidatura. Antes, porém fechou-se em nova reunião com a cúpula de seu partido, que invadiu a madrugada e acabou não anunciando nada.

A indefinição seguiu no domingo, data da convenção do PMDB e do encontro estadual do PT. Aguardado por mais de cinco mil pessoas que esperavam seu anuncio de candidatura, Pessuti reuniu-se antes com Osmar e as cúpulas de PT, PDT e PMDB.

Mais algumas horas de conversa e nenhuma decisão. PMDB e PT delegaram a suas executivas a definição sobre candidaturas e alianças e decidiram esperar por Osmar Dias até amanhã.

“Ele tem um problema pessoal, do constrangimento em disputar com o irmão e nós respeitamos isso. Vamos dar mais dois ou três dias ao senador Osmar Dias, para depois termos a definição, não vejo nenhum problema nisso”, disse Pessuti ao chegar à convenção de seu partido.