Dirceu (à esq., ao lado de Roque):
“Terrorismo eleitoral é molecagem”.

O presidente nacional do PT, José Dirceu, esteve ontem em Curitiba para homologar a candidatura do deputado federal Padre Roque Zimmerman ao governo do Estado. A convenção estadual, que começou ontem e termina hoje, não definiu ainda o nome do vice-candidato, que pode ser tanto do PCdoB, quanto do próprio partido. Dirceu está confiante nas alianças que o partido poderá fazer para as eleições de 6 de outubro. “A aliança com o PL está aprovada. Nacionalmente está decidido, o problema são os Estados. Eles têm que tomar a decisão se vão eleger mais deputados ou se vão apoiar o Lula. Isso está sendo resolvido Estado por Estado”, explicou.
Com o PMDB, o entendimento depende do resultado da convenção nacional. “Temos um diálogo há mais de oito anos com o PMDB, inclusive no Paraná. Existem setores no partido que vão sair com o Lula, e aqui, se o Roberto Requião (PMDB) for candidato ao Senado e apoiar o nosso candidato à Presidência, ele vai subir no nosso palanque”, afirmou.
De acordo com Dirceu, o grande objetivo do PT é esclarecer aos eleitores sobre a crise atual, já que, segundo ele, foi causada pelo governo do PSDB, e não pelo PT. “Como brasileiro vejo com apreensão e tristeza o que está acontecendo no País, porque ele não precisava estar passando por isso. Se o Brasil não tivesse passado pela crise energética, tivesse baixado os juros e feito a reforma tributária, isso não estaria acontecendo”, opinou.
Para ele, o novo discurso do partido tem agradado a população. “Hoje, 70% do eleitorado não quer a mesma política, quer mudar. Precisamos ter responsabilidade. O governo não pode mais cobrar responsabilidade do PT e fazer terrorismo. Temos certeza de que a população vai entender o que estamos falando. Vamos mudar a situação, mas isso não significa romper contratos e aumentar a inflação. Não vamos fazer a mesma política. O governo não tem autoridade para falar de responsabilidade fiscal para o PT”, afirmou. “O povo sabe que o PT é sério. É uma molecagem de mau gosto fazer terrorismo eleitoral. O que nós do partido pudermos fazer para evitar que o Brasil entre em uma crise, vamos fazer. Os tucanos são bons de discurso, mas ruins de governo”, disse o presidente nacional.
Candidato
Padre Roque Zimmerman estava animado com a confirmação de seu nome ao governo. “Só tenho expectativas boas. Vamos finalizar o que já é real, assim como as alianças que estão formadas. E acima de tudo vamos respeitar a vontade dos convencionais, e chegar a um quadro de candidatos a deputados e ao Senado”, contou. “Temos diversas propostas para vice, e vamos escolher a melhor.”
Neste final de semana ficará decidido apenas se o vice será ou não do PT. Após essa resolução é que os nomes serão avaliados. “O que a convenção decidir eu vou acatar; não cabe a mim aceitar ou não a aliança com o PL”, explicou.
Já o presidente estadual do PT, vereador André Vargas, explicou que provavelmente o partido deverá lançar dois nomes ao Senado, o do deputado federal Flávio Arns e o do advogado Edésio Passos. “Os partidos com quem temos conversado não estão pleiteando o Senado, então devemos ter duas vagas”, afirmou Vargas.