O novo ministro-chefe da Casa Civil, Antônio Palocci, usou seu primeiro discurso para avisar aos jornalistas que será econômico nas palavras no novo trabalho. “Aqui, peço a compreensão especial dos amigos da imprensa. A Casa Civil, por não ser ministério fim, não deve expressar opiniões e vontades próprias”, disse durante a posse ocorrida hoje no Palácio do Planalto.

Aos jornalistas, Palocci lembrou que, quando ministro da Fazenda, concedia entrevistas frequentes e fazia declarações para prestar contas à sociedade. “Mas penso que a Casa Civil tem funções diferentes. Serei extremamente econômico em entrevistas. Só o farei quando solicitado pela minha chefe”, disse.

Palocci afirmou, porém, que isso “não significa bloqueio ou distanciamento do trabalho da imprensa”. “Estaremos sempre abertos a esclarecimentos, sempre com conteúdo técnico e jurídico. Será uma Casa Civil aberta e transparente”, disse.

Aproveitou, ainda, para fazer um esclarecimento. Ao comentar que a imprensa tem citado que a Casa Civil poderia cuidar dos temas políticos centrais, Palocci disse entender que jornalistas façam essa avaliação após o trabalho feito por ele para a costura do Ministério. “É uma avaliação de boa fé, mas não é real”, disse. “Sei que essa abordagem decorre da montagem do Ministério, mas foram ações determinadas por Dilma. A coordenação política continua a cargo da Secretaria de Relações Institucionais”, disse.