O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), disse estar convicto de que a presidente eleita Dilma Rousseff, do PT, irá manter o acordo sobre a divisão de lucros com os poços de petróleo do pré-sal, firmado com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A proposta veta a distribuição igualitária para todos – que foi incluída nos projetos de lei do pré-sal pela emenda Ibsen – e defende o privilégio às cidades produtoras.

“Vamos ter de ter uma solução específica para recompor o acordo. Não é apenas vetar. Se vetar voltamos ao porcentual atual e o porcentual com a partilha não é bom para o Rio de Janeiro. Já está acordada (a solução). O presidente declarou desde o início: ‘Nós vamos cumprir o acordo’. A Dilma declarou: ‘Nós vamos cumprir o acordo’, não tem problema nenhum. Acabou o período eleitoral, agora é hora de olhar o Brasil”, disse o governador, hoje, na inauguração de uma estação de metrô.

“A partilha é um assunto superado. Já entendíamos que viria. A nossa luta é a perda da participação especial que nós teremos com a aprovação da partilha. Lutamos para que o porcentual do Rio de Janeiro saísse do atual para um maior, em royalties, para compensar a participação especial”, disse Cabral, reafirmando que o acordo será cumprido e deixando claro sua expectativa de que o veto se dará ainda este ano. “Nós não vamos pedir nada, esse acordo já está feito. Não crie um factóide após as eleições. O presidente Lula vai vetar.”