Presidente interino da CPI do Cachoeira, o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) tenta articular o depoimento do jornalista Luiz Carlos Bordoni para esta semana na tentativa de provocar um desgaste ao governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB).

A participação do tucano na CPI está prevista para a próxima semana. A ideia é criar fato novo contra Perillo. Em entrevista ao jornal “O Estado de S.Paulo” e em nota em seu blog, o jornalista admitiu ter recebido da empresa Alberto e Pantoja, ligada ao esquema do empresário de jogos ilegais Carlos Cachoeira, por serviços prestados à campanha do governador.

Teixeira vai consultar o presidente da CPI, senador Vital do Rego (PMDB-PB), que está de licença médica nesta semana, e o relator, deputado Odair Cunha (PT-MG). “Estaremos abertos a todos que quiserem trazer informações sobre Goiás”, disse.

“Vou conversar com presidente e relator. Poderíamos agendar esta semana, mas temos que ver se acham conveniente. Trata-se de uma oferta de depoimento, ele quem se ofereceu, mas pode ficar para depois”, disse.
Esse entendimento deve ser fechado nas próximas horas. A CPI tem prevista para esta semana uma reunião amanhã para ouvir pessoas ligadas a Perillo.

Sobre a convocação do ex-diretor do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) Luiz Antonio Pagot, o petista disse que ainda será preciso fazer uma consulta aos líderes partidários para definir se haverá ou não essa movimentação.

Em duas entrevistas, Pagot acusou o PT e o PSDB de usarem os governos federal e de São Paulo para bancar as campanhas de Dilma Rousseff e José Serra à Presidência da Republica, em 2010.