Se o presidente Luiz Inácio Lula da Silva evitou falar de política durante a inauguração, hoje, de um armazém da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, o ministro da Agricultura, Wagner Rossi, escancarou, no discurso o apoio ao agora impossível terceiro mandato dele. “Alguém tem dúvida aqui que, se o presidente Lula tivesse pleiteado um terceiro mandado, ele receberia a consagração do povo brasileiro?”, indagou Rossi. “Oito anos foi pouco”, completou.

Em seguida, o ministro, ligado ao PMDB e ao presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer (PMDB-SP) – candidato a vice-presidente na chapa de Dilma Rousseff (PT) -, elogiou a recusa de Lula em sequer discutir um novo mandado, mas defendeu a permanência dele na ativa após deixar o cargo. “Ele chamou as eleições e recusou qualquer proposta do continuísmo, mas o apelo é que o presidente, mesmo fora do governo, seja uma luz a iluminar o caminho do brasileiro.”

Ao iniciar o discurso, Rossi deixou claro que adotaria um tom político, uma vez que os números sobre o depósito inaugurado na cidade do Triângulo Mineiro tinham sido explicados pelo presidente da Conab, Alexandre Magno. “Essa obra só existiu porque o presidente Lula mudou a orientação política, pois os governos anteriores achavam que o mercado regulava tudo e praticamente se acabaram os estoques de alimentos”, afirmou o ministro da Agricultura.

Por fim, sob os gritos de “Lula, Lula, Lula” dos presentes, Rossi pediu a Deus “que seja generoso com o presidente, dando-lhe muitos anos de vida para servir à Pátria”. Com capacidade para 100 mil toneladas de grãos, o estabelecimento inaugurado por Lula eleva para 242 mil toneladas a capacidade de estocagem do complexo de armazenagem da Conab em Uberlândia e torna a unidade a maior a estatal no País.