A propaganda eleitoral gratuita nas emissoras de rádio e televisão será exibida a partir da próxima terça-feira, dia 20. O horário eleitoral é tido pelos partidos e candidatos como a verdadeira largada da campanha eleitoral deste ano que, conforme o calendário da Justiça Eleitoral, já começou no dia 6 de julho.

Marquetólogos e estrategistas políticos dão tanto peso ao horário eleitoral, sobretudo na televisão, que a produção de programas consome até 20% dos orçamentos de campanha. Entretanto, no Paraná, a imagem e o discurso dos candidatos não vão alcançar um significativo número de eleitores. A estimativa dos técnicos do setor é que, à exceção de Curitiba e Região Metropolitana, no Interior, nos municípios de porte médio, entre 7 a 10% das famílias não têm acesso à TV aberta.

Estas famílias sintonizam a programação por meio de antenas parabólicas, que captam as imagens de satélites das cabeças de rede, que funcionam no Rio de Janeiro e São Paulo. Na hora da propaganda eleitoral, esse eleitor vai assistir aos programas políticos de São Paulo e Rio. Nos municípios menores, cuja população varia entre 20 a 30 mil habitantes, o cálculo dos especialistas do setor é que 40% das casas recorrem às parabólicas e também não sintonizam o horário político estadual.

Conforme a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), apenas 46 municípios do Paraná não possuam estações retransmissoras. Mas em muitas cidades, o sistema está instalado e não funciona a contento. “Como o sinal é ruim e, o cidadão acaba preferindo instalar uma parabólica que dá acesso a todas as redes, quando no sistema comum, no máximo, ele consegue pegar de uma a duas redes”, explicou o diretor de programação do Canal Paraná, Elson Faxina.

De acordo com Faxina, candidatos que quiserem um diálogo direto com os pequenos agricultores, devem esquecer a televisão. “Na zona rural, o rádio é o veículo dominante e tem uma penetração fulminante junto ao eleitorado”, comentou o diretor de programação.

Alternativas

Os responsáveis pela comunicação das campanhas majoritárias buscam outras alternativas, além do rádio, para chegar ao eleitor do interior. Panfletos e jornais setoriais têm sido a saída da campanha do PMDB ao governo. De acordo com a assessoria do candidato o governo, senador Roberto Requião, nos 45 dias de campanha, serão editados jornais dirigidos a cada região do estado. “É tão eficiente quanto e é mais barato do que fazer grandes comícios”, justificou o jornalista Odenir Colombo.

A assessoria do candidato do PDT ao governo, senador Álvaro Dias, aposta no rádio para suprir as falhas da televisão. Outra estratégia de Álvaro é a instalação de telões nas praças das cidades, principalmente nas grandes. O uso do recurso nos municípios de menos porte dependerá da necessidade.

A assessoria do candidato do PT, Padre Roque Zimermmann, afirma que o maior problema está nas pequenas cidades, onde o uso da parabólica é mais acentuado.

Palanque eletrônico

As emisoras de rádio e de televisão passam a veicular à partir de terça-feira, às 7h, os programas dos candidatos às eleições deste ano. As segundas, quartas e sextas-feiras serão destinadas à transmissão dos programas dos postulantes ao governo, ao Senado e à Assembléia Legislativa. Terças, quintas e sábados serão apresentadas as propagandas dos candidatos a presidente da República e a deputado federal.

O horário eleitoral gratuito será distribuido em dois blocos diários de vinte e cinco minutos cada. A ordem de apresentação foi sorteada pela Justiça eleitoral e obedecerá um sistema de rodízio. A estréia terá, portanto, os candidatos a presidente e a deputado federal. A Coligação Renova Paraná, do Padre Roque (PT) abrirá a programação dos candidatos ao governo, no quarta-feira, seguida pelo PSTU, a Coligação Vote Limpo 23, Prona, PMN, Coligação Vote 12, Coligaçao Paraná de Todos Nós Coligação Socialismo com Liberdade, PRTB, Coligação Movimento Social Cristão, PSD, PMDB e PTC.

A Coligação Paraná de Todos Nós, que tem o tucano Beto Richa como candidato ao governo, é a que dispõe de maior tempo no horário gratuito: 5m51s. Em seguida vem a Coligação Vote 12, de Álvaro Dias, com 3m32s, o PMDB de Roberto Requião com 2m42s, e a Coligação Renova Paraná, do Padre Roque (PT), com 2m33s.

Os demais partidos e coligações dispõem de tempo inferior a 1 minuto. É o caso do PPS de Rubens Bueno, do PSC de Giovani Gionédis, do PMN de Benedito da Silva, o PSB de Severino Araújo, o PSD de Cirus Itiberê, o Prona de Gladstone Bispo, o PSTU de Claudemir Figueiredo, o PRTB de Jamil Nakad, e o PTC de Abrahão Barbosa Júnior.