Foto: Arquivo/O Estado

De olho no voto dos trabalhadores, os partidos negociam com dirigentes de sindicatos apoio a seus candidatos.

Na busca de sustentação para suas candidaturas ao governo do Estado, pretendentes ao Palácio Iguaçu estão articulando o apoio de lideranças sindicais. Um dos coordenadores do PMDB junto à centrais sindicais, Núncio Manalla, entende que a obtenção do apoio de sindicalistas contribui para fazer com que a mensagem do governador Roberto Requião (PMDB) chegue com mais facilidade aos trabalhadores e suas famílias. ?Quando diretores e presidentes sindicais afirmam apoio político, eles estão pedindo também o apoio a seus representados?, disse.

Segundo Manalla, Requião já conseguiu a confiança de cerca de 210 sindicatos e deve obter, pelos seus cálculos, o apoio de no mínimo mais 50 entidades, que devem confirmar nos próximos dias. Entre as centrais, Manalla cita a Força Sindical, a Confederação Geral dos Trabalhadores e a Força Trabalhista do Paraná, além da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Paraná, Federação dos Bancários do Paraná e Federação dos Empregados do Comércio do Paraná.

Contudo, Manalla pondera que o importante não é somente a declaração formal de apoio, mas sim a realização de um trabalho junto às bases. ?Se todo mundo entendesse a formalização de apoio, não haveria porque se mobilizar. Mas uma coisa é um dirigente falar que representa trabalhadores, outra é isso realmente acontecer?, disse ele, avaliando que há uma possibilidade de que 80% dos associados a sindicatos sigam suas lideranças. Para Manalla, o trabalho de um dirigente sindical vale quase por duzentos militantes pagos.

Campo

Já o apoio de sindicatos à candidatura de Osmar Dias, segundo um dos integrantes da coordenação da campanha, José Tavares, vêm principalmente do setor agrícola. ?O fato de Osmar ter sido um grande secretário da agricultura trouxe a ele muito prestígio. Em relação a sindicatos, o apoio é espontâneo. A grande base é de trabalhadores rurais.?

Tavares afirmou que não há uma contabilização do número de entidades que apoiam Osmar. Porém, citou o apoio das lideranças do Núcleo Sindical Rural dos Campos Gerais, que envolvem 16 entidades. Entre outros grupos de apoio, Tavares afirma que parte da Força Sindical em Londrina também está com Osmar. ?Recebemos ontem em Londrina o apoio de dezenas de entidades sindicais?, disse.

Iniciando

O coordenador de mobilização da candidatura de Flávio Arns (PT), Florisvaldo Souza, afirmou que haverá hoje reunião com dirigentes de diversas categorias sindicais. Souza disse que as entidades que devem compor apoio a Arns estão, em sua maior parte, ligadas à Central Única de dos Trabalhadores. ?Temos apoios vindo de todas as regiões, principalmente região metropolitana. Estamos começando a discutir o assunto de forma oficial?, declarou.

Na campanha de Rubens Bueno (PPS), quem está cuidando da articulação junto aos sindicatos é o presidente da Federação dos Trabalhadores das Indústrias do Estado do Paraná (Fetiep), Luiz Gin. Segundo ele, dos 36 sindicatos filiados à Fetiep, 30 estão com Bueno. ?São lideranças de vários setores como: químico, de papel e celulose, gráfico, vestuário, extrativismo de borracha.? Gin afirmou também que agricultores do setor fumageiro no Estado estão declarando seu apoio a Bueno para o governo do Estado.