Foto: Evandro Monteiro/O Estado

Osmar defendeu a Copel.

A assessoria do candidato da coligação Paraná da Verdade, senador Osmar Dias (PDT), informou que sempre que é questionado a respeito de suas ligações com o ex-governador Jaime Lerner (PSB), a resposta dada é que, de fato, há pessoas na campanha que já trabalharam com Lerner e que agora estão com o senador, assim como há políticos que eram vinculados ao ex-governador e hoje estão com o governador Roberto Requião (PMDB). Osmar estava ontem em viagem pelo interior e não foi encontrado para comentar a manifestação da Frente Ampla pelos Avanços Sociais.

?Na campanha de Osmar estão: Antônio Poloni, que foi secretário de agricultura e tem um trabalho respeitado em todo o Paraná; José Tavares, que foi secretário de segurança do próprio Requião e depois do Lerner; José Antônio Andreguetto que foi presidente do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e é uma das pessoas mais respeitadas no setor; e Deni Schwartz, que é um nome conhecido nacionalmente?, diz a nota da assessoria.

Em contrapartida, afirma a assessoria de Osmar, ?com Requião, estão: governador interino Hermas Brandão (PSDB), que chegou a sair candidato a vice e já foi acusado de corrupção pelo próprio Requião, quando estava no Senado, e que foi demitido da Secretaria da Agricultura por Lerner, por causa dessa acusação; Reinhold Stephanes, que foi presidente do Banestado quando o banco foi privatizado; deputado estadual Rafael Greca, que foi secretário de Comunicação quando a Copel foi colocada à venda; e Algaci Túlio?.

A respeito do processo de privatização da Copel, a assessoria de Osmar informou que o senador foi um dos primeiros a aderir ao abaixo-assinado contra a venda da empresa. ?Fez vários discursos no Senado combatendo a privatização da Copel e tem, no plano de governo e como compromisso assumido em toda a campanha, a manutenção das empresas públicas do Estado, comprometendo-se com uma gestão profissional destas empresas, que serão gerenciadas por pessoas que conheçam o setor?, diz a nota.