A menos de cinco meses de entregar o cargo para o seu sucessor a ser eleito em 3 de outubro, o governador Orlando Pessuti (PMDB) prossegue mudando a equipe.

Ontem, foi a vez de Airton Pisseti deixar a presidência do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e do jornalista Benedito Pires se despedir do cargo de assessor especial.

Pires e Pisseti foram secretários de Comunicação Social do governador anterior, Roberto Requião (PMDB), que renunciou em abril para concorrer ao Senado. De lá para cá, Pessuti já demitiu a maioria dos auxiliares de primeiro e segundo escalões mais próximos de Requião.

O vice-presidente do BRDE, Renato de Mello Viana, indicado por Santa Catarina, deve assumir interinamente a presidência da instituição, cuja administração é compartilhada pelos três estados do Sul.

Até ontem no final da tarde, a assessoria do banco ainda não confirmava a saída de Pisseti do cargo. Embora a indicação do presidente do BRDE neste mandato seja do Paraná, Pessuti terá que consultar os governadores dos outros dois estados antes de definir o próximo presidente do banco.

Na lista

A demissão do diretor de Relações Institucionais e Comunitárias da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar), Doático Santos, também estaria nos planos de Pessuti. Doático é o homem de confiança de Requião no PMDB de Curitiba.

Até ontem à tarde, a Cohapar confirmava a permanência de Doático no cargo, mas O Estado apurou que sua diretoria foi esvaziada. Dos oito funcionários que trabalhavam com ele, sete foram transferidos para outros setores. A única que restou foi a funcionária que atua como secretária da Diretoria de Relações Institucionais.

Na semana passada, outra aliada de Requião pediu para sair. Ivanira Gavião Pinheiro deixou a Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-PR). Ivanira justificou que já não se sentia confortável no governo e que perdeu apoio para continuar desenvolvendo o trabalho.

Os remanescentes da equipe de Requião são os secretários de Educação, Yvelise Arcoverde, Fazenda , Heron Arzua, Administração, Maria Marta Lunardon, e Cultura, Vera Mussi.

Pessuti pretendia também substituir Lucia Arruda, irmão do ex-governador no Provopar, e Maristela Requião, no comando do Museu Oscar Niemeyer. Mas o Museu e o Provopar são Oscips (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público), cujos gestores são escolhidos por um conselho formado por representantes da sociedade.

A demissão dos integrantes da equipe do ex-governador começou no dia seguinte à posse de Pessuti. O governador justificou que precisava fazer remanejamentos na equipe. As trocas provocaram um rompimento entre Requião e Pessuti, que eram parceiros há anos no PMDB.