Arquivo / O Estado
Arquivo / O Estado

Orlando Pessuti: discrição e fidelidade.

Enquanto alguns peemedebistas vibram com a possibilidade de transformar o governador Roberto Requião em um dos nomes consistentes do PMDB para a sucessão presidencial, outros já se preocupam em como ficaria a sucessão estadual, caso o projeto nacional ganhe corpo.  

É o caso do presidente estadual do partido, deputado Dobrandino da Silva, que, ao mesmo tempo em que torce para que o governador construa uma carreira política nacional, já começa a relacionar os nomes que poderiam sucedê-lo no cenário estadual. O primeiro da lista de Dobrandino é o vice-governador Orlando Pessuti (PMDB).

Pessuti não tem perdido a oportunidade de dizer que seu sonho é ser candidato ao Senado. Outros não o vêem em outra posição que não a que já ocupa e que repetiria numa chapa com Requião para a reeleição. Mas o presidente estadual do partido acha que em caso de o governador ser "convocado" para uma missão nacional, Pessuti seria a opção imediata.

Dobrandino aponta dois diferenciais do vice-governador e secretário da Agricultura, que poderiam torná-lo um nome viável para a sucessão estadual. "Ele é bem relacionado com a população e não tem rejeição", afirmou.

Pressão

Dobrandino disse que continua trabalhando com a chapa original, mas é preciso começar a pensar desde já numa eventual substituição. "Por enquanto, estamos trabalhando com o governador como nosso candidato à reeleição, mas há uma mobilização de fora do Estado para fortalecer o nome dele como candidato do partido", afirmou o dirigente estadual do PMDB. Ele citou que os incentivos para Requião se inscrever nas prévias do partido – o prazo vence em dezembro – vêm de lideranças peemedebistas de outros estados. "Embora o governador diga que o projeto dele é aqui, há uma discussão fora daqui para que ele participe das prévias e se essa tese se fortalecer, nós temos que nos preparar", comentou o presidente do partido.

Hoje, o PMDB de Curitiba lança um jornal interno dedicado ao programa de governo elaborado pelo economista Carlos Lessa e colaboradores, sob encomenda do diretório nacional do PMDB. O projeto é subscrito também pelo governador do Paraná. O jornal Conexão Direta, que será distribuído à população em geral, teve uma tiragem de 50 mil exemplares, segundo o presidente municipal do partido, Doático dos Santos.