Foto: Ciciro Back/O Estado

Vice-governador e mais dez postulantes protocolaram suas inscrições.

No penúltimo dia do prazo legal, o vice-governador Orlando Pessuti (PMDB) formalizou ontem, dia 22, sua inscrição ao cargo de conselheiro do Tribunal de Contas. A eleição está marcada para 7 de março. Além do vice-governador, outros dez postulantes haviam protocolado suas inscrições.  

A confirmação da participação de Pessuti pela vaga no Tribunal de Contas reflete na composição da chapa do governador Roberto Requião (PMDB) à reeleição, já que o vice-governador ocuparia a mesma posição ou então disputaria o Senado.

Se Pessuti vencer a eleição para o TC – ele tem uma lista de apoio com mais de vinte nomes de deputados – o PMDB amplia sua margem de composição de alianças para a reeleição de Requião. Ao protocolar sua inscrição, Pessuti afirmou que ir para o TC não constava do seu projeto original, que consistia unicamente em disputar a eleição, como vice ou candidato ao Senado, mas que a morte do conselheiro Quielse Crisóstomo provocou uma mudança de planos.

O vice-governador negou que tenha concordado em disputar a vaga de conselheiro para facilitar uma composição com o PSDB, que teria interesse em compor com o governador indicando o candidato a vice de Requião. "Nós estamos num processo de diálogo com todos os partidos. Com o PTB, PDT, PP, o PSDB, o PL, o PCB e o PCdoB", comentou.

Pessuti reconheceu que hesitou antes de aceitar o convite para se candidatar, mas que foi convencido pelo governador, a bancada estadual do PMDB e outras lideranças que pediram para que ele entrasse na disputa. O vice-governador tomou café da manhã ontem com Requião e esse encontro foi decisivo para a confirmação de sua candidatura.

Em campanha

Depois de se inscrever, o vice-governador foi ao plenário da Assembléia Legislativa, onde já começou sua campanha, cumprimentando e pedindo os votos dos deputados aliados e também dos adversários do governo. Pessuti minimizou a resistência que alguns deputados de oposição vêm opondo à sua candidatura, com o argumento de que a indicação para esta vaga é de prerrogativa da Assembléia e ele é um integrante do Poder Executivo. O vice-governador afirmou que, em vinte e três anos de carreira política, tem no seu currículo cinco mandatos de deputado estadual.

"Tenho uma história construída na Assembléia Legislativa. Eu me sinto um integrante do Poder Legislativo", disse Pessuti. Ele lembrou que ocupou vários cargos da Mesa Executiva, incluindo o de presidente do Legislativo.

Inscritos

Até ontem, estavam inscritos formalmente os seguintes concorrentes do vice-governador à vaga de conselheiro: os deputados Durval Amaral (PFL) e Mário Bradock (PMDB), o vereador Custódio da Silva, o diretor do Instituto Brasil-África, Saul Durval da Silva, o funcionário público Eugênio Covalchuk Primo, os advogados Antonio Rudolfo Hanauer, Dora Lúcia de Lima e Moisés Antonio Bortolotto, o ex-deputado Tércio Albuquerque e José Augusto Soavinski.

Todos os cidadãos têm direito a se inscrever. Pelas regras atuais, não é necessário ter formação em Direito. Apenas demonstrar conhecimentos de administração pública. A exigência do diploma de advogado foi vetada pelo governador na Lei Orgânica do TC aprovada no ano passado pelos deputados estaduais. Enquanto a Assembléia não se manifestar sobre o veto, a formação jurídica é dispensável.