O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), fez coro à tese do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de que o partido deve ter candidato próprio em 2018, mas não reforçou as críticas ao PT. Em entrevista ao jornal O Estadão de S.Paulo, Cunha afirmou que a aliança nacional entre peemedebistas e petistas não se repetirá e acusou o PT de tentar “sabotar” o vice-presidente, Michel Temer (PMDB-RJ), como articulador político do governo.

“Sempre me manifestei em defesa da candidatura própria do PMDB em 2018. Não acho que a aliança PMDB-PT já está no fim. Até lá, o PMDB tem que continuar a exercer o papel de garantir a governabilidade. O partido tem o vice-presidente da República”, afirmou o governador neste domingo, 14.

Questionado sobre a resistência do PT em apoiar o ajuste fiscal da presidente Dilma Rousseff e a relação difícil de grande parte dos petistas com o governo, Pezão respondeu: “Isso é problema do PT. Acredito que algumas posições do PT estão mudando, os ajustes têm passado no Congresso, têm sido votados”.