A Polícia Federal apura uma suposta invasão ao gabinete do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. O procedimento foi encaminhado à Polícia pelo próprio ministro no último dia 27.

Ao chegarem para trabalhar na segunda-feira, 27 de julho, servidores do Ministério da Justiça se depararam com vestígios de violação a espaços restritos do gabinete do ministro.

O caso foi revelado pelo jornal Folha de S. Paulo em matéria publicada na edição desta terça-feira, 18. De acordo com a reportagem, servidores perceberam que uma das portas do gabinete de Cardozo estava aberta e, além disso, que o computador que fica sobre a sua mesa estava ligado, fugindo à normalidade.

O ministro encaminhou no dia seguinte um documento ao diretor-geral da PF, Leandro Daiello, comunicando a provável violação de espaço. A suspeita é de que uma eventual invasão tenha ocorrido no domingo, quando não há expediente no Palácio da Justiça. No documento, o Ministério pede à Polícia que seja feita a apuração dos fatos e que sejam adotadas medidas cabíveis.

De acordo com a Folha, os servidores também notaram que o computador da sala do chefe de gabinete de Cardozo, Márcio Lopes de Freitas Filho, também estava ligado. O cenário foi percebido antes da chegada do ministro.

Após a divulgação da notícia, o Ministério confirmou, por meio de nota, que solicitou a apuração à PF, órgão subordinado à pasta. De acordo com a nota, a apuração dos fatos está sendo feita “de forma sigilosa”.