A pedido do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a Polícia Federal decidiu nesta sexta-feira, 14, investigar o ataque a bombas feito contra a sede do Instituto Lula, no bairro do Ipiranga, zona sul de São Paulo, no dia 31 de julho. A sede do instituto foi alvo de uma bomba caseira lançada a partir de um carro por volta das 22h daquele dia. O explosivo danificou parte do portão da garagem e sua força chegou a trincar a calçada do local. Ninguém saiu ferido e o instituto classificou o episódio como um atentado político.

O presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, já havia pedido, no início do mês, que a PF assumisse a investigação sobre o atentado. O caso está sob investigação na 17a DP.

No dia 4 de agosto, integrantes da bancada do PT na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) encaminharam ao secretário estadual de Segurança Pública, Alexandre de Moraes, um pedido de audiência paras tratar do assunto. No dia seguinte, os 14 deputados da bancada petista na Assembleia foram ao instituto para prestar solidariedade ao ex-presidente.