O presidente estadual do PL, deputado federal Oliveira Filho, disse ontem que se a direção nacional do partido se coligar com o PT o acordo terá que forçosamente se repetir no Paraná, apesar de ter sido rejeitado pelos petistas na convenção de sábado. O dirigente do PL afirmou que preparou o partido no Estado para apoiar a pré-candidatura do senador Alvaro Dias (PDT) ao governo. Mas a verticalização das coligações, aprovada pela Justiça Eleitoral, pode acabar levando o partido a se juntar ao PT.

O deputado considerou natural a rejeição do PT, lembrando que o PL também tem vetos ao PT e ao seu candidato a presidente da República, Luiz Inacio Lula da Silva. “É uma aliança que assusta os dois lados. Há essa dificuldade de coligar, mas quem vai dizer se estaremos juntos no Paraná é a direção nacional”, afirmou o deputado, que participa amanhã da reunião em Brasília da reunião em que todos os presidentes dos diretórios estaduais do PL vão decidir se farão aliança com o PT.

Vice

Na convenção do final de semana, além de rejeitar a aliança com o PL, o PT decidiu que vai deixar em aberto a vaga para o candidato a vice-governador da chapa. “Não podemos nos fechar à possibilidade de alianças”, disse o candidato do partido ao governo, deputado federal Padre Roque, que teve o seu nome homologado no encontro, junto com os dois candidatos ao Senado da legenda, o deputado federal Flavio Arns e o advogado Edésio Passos. Para facilitar o diálogo com as legendas que compõem o arco tradicional de alianças do PT, até o grupo que era contrário ao lançamento de uma chapa pura retirou a proposta da mesa dos trabalhos. Outra ala, que defendia o lançamento preferencial de uma mulher para a vice, também foi derrotada.

Com isso, os dois grupos abriram caminho para a aprovação da proposta da ala majoritária da legenda, favorável à oferta da vice a outro partido. O PC do B é a legenda que reúne maiores chances de receber a indicação. O vereador de Curitiba, Ricardo Gomyde, principal liderança do PC do B do Paraná, participou da convenção do PT e lembrou que seu partido já formalizou o apoio às candidaturas de Lula, Padre Roque, Flavio Arns e Edésio Passos.