Um documento mantido até hoje sob sigilo revela detalhes do caixa 2 da campanha do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM). A planilha foi feita pelo presidente do PSDB-DF, Márcio Machado, suspeito de ser o mentor da arrecadação ilícita em 2006. O manuscrito indica que a campanha de Arruda abordou pelo menos 41 empresas para conseguir doações e abastecer o caixa 2 com R$ 11 milhões. É o primeiro documento fora do inquérito da Polícia Federal (PF) que mostra o funcionamento do esquema que deu origem ao “mensalão do DEM” em Brasília.

A contabilidade mostra empresas associadas à expressão “PG”, indicando pagamentos de empresas que não aparecem na prestação de contas de Arruda à Justiça Eleitoral. O documento tem anotações com os nomes das empresas e valores, uma coluna com dois saldos – um em dólar (US$ 342.900) e outro em reais (R$ 243.500) – e duas listas de receitas (R$ 1,1milhão) e despesas (R$ 1,1 milhão). No total, 20 construtoras estão relacionadas – pelo menos nove delas fecharam contrato com o governo que tomou posse em 2007.

Por meio de seu advogado, Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, o tucano Márcio Machado confirmou a autoria da planilha. Vitorioso na campanha, Arruda fez dele seu secretário de Obras. Por causa do escândalo do “mensalão do DEM”, o PSDB exigiu que ele deixasse o governo na terça-feira.

Das 41 empresas listadas na planilha, apenas duas aparecem na prestação de contas de Arruda à Justiça Eleitoral, mas com valores diferentes e um total de R$ 260 mil doados: a CTIS (R$ 250 mil) e a CD (R$ 10 mil) – valores muito inferiores aos R$ 650 mil da lista de Márcio Machado. A Delta não consta entre as doadoras oficiais. Segundo Durval Barbosa, o secretário de Relações Institucionais que fez um acordo de delação premiada e denunciou o “mensalão do DEM”, o tucano era um dos “captadores do governador”.

Machado disse ao Estado, por meio de seu advogado, que a planilha era uma projeção de doações que seriam solicitadas às empresas por meio do tesoureiro oficial da campanha, José Eustáquio Oliveira. O tucano afirma que não se recorda dos números nem acompanhou essas doações. A planilha foi esquecida por ele, em janeiro de 2007, dois meses após a campanha, numa visita a uma emissora de TV. Essa contabilidade se encontra também em poder do Ministério Público do DF.