No protesto de funcionários da Universidade de São Paulo (USP), que bloqueavam a esquina da Avenida Vital Brasil com a Rua Camargo, próximo ao portão 1 da USP, a Polícia Militar usou bombas de efeito moral para dispersar os manifestantes. Em todo o País, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e outras centrais sindicais organizam protestos contra o PL da Terceirização, Medidas Provisórias 664 e 665 e o Ajuste Fiscal, nesta sexta-feira, 29.

Manifestantes bloqueiam a Avenida Paulista no sentido do Paraíso, em frente ao Fies. A Avenida do Estado também está totalmente interditada no sentido Ipiranga, em frente ao metrô Armênia. Uma faixa da Rua Venceslau Bras segue ocupada por protestos.

em Santos, no litoral, a rodovia Cônego Domênico Rangoni foi interditada em ambos os sentidos, na altura do quilômetro 267.

Em São José do Campos, metalúrgicos aderiram aos protestos. Segundo o sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região, na General Motors muitos nem chegaram a ir para a fábrica; quem chegou já foi pra casa, dando início a uma paralisação de 24 horas. Na Avibras, os metalúrgicos já votaram greve de 24 horas.