A Delegacia Seccional de Santo André requereu ontem à Justiça a quebra do sigilo telefônico dos contadores Antônio Carlos Atella Ferreira e Ademir Estevam Cabral, principais suspeitos de violar o sigilo fiscal de Verônica Serra, filha do presidenciável tucano José Serra.

O pedido se refere ao histórico de chamadas recebidas e efetuadas a partir de telefones fixos e celulares de ambos, relativo ao período de setembro a dezembro de 2009. O sigilo fiscal de Verônica foi indevidamente acessado em 30 de setembro na delegacia da Receita Federal em Santo André por meio de uma falsa procuração apresentada por Atella. Ele atribuiu a Cabral a produção do documento.

O delegado seccional José Emílio Pescarmona investiga os crimes de falsidade ideológica de uso de documento falso – o inquérito sobre a violação dos dados confidenciais de Verônica é conduzido pela Polícia Federal (PF).

O objetivo de Pescarmona é confrontar as chamadas efetuadas e recebidas pelos contadores e, a partir disso, verificar se eles fizeram contato com outros eventuais envolvidos na trama. O delegado quer estabelecer quem era o principal interessado no sigilo fiscal de Verônica. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.