Reprodução
Assunção: abuso de poder político.

 

A Justiça Eleitoral de Campina Grande do Sul cassou o mandato do prefeito Luiz Carlos Assunção (PSB). Ele foi condenado por abuso de poder político na reeleição e recebeu pena de inelegibilidade de oito anos, além de multa de R$ 212,8 mil. Cabe recurso da decisão em segunda instância. O vice Nilson de Jesus Pires Falavinha (PSB) é citado no processo e também perdeu o mandato, mas apenas por integrar a chapa.

A sentença aponta que houve abuso de poder político nas últimas eleições. Ele teria realizado 1.552 cadastros do programa “Armazém da Família” sem autorização da lei. Também não haveria previsão orçamentária em 2010 e 2011 para executar as ações, que teriam influenciado diretamente no resultado das eleições devido à ampla divulgação do programa.

Na mesma ação, havia ainda a acusação que ele teria se favorecido do pagamento de horas-extras a funcionários públicos para obter vantagens no pleito. A Justiça, no entanto, não acatou esse pedido e entendeu que não há indícios suficientes para comprovar que o pagamento desses benefícios tenha influenciado nas eleições.

Sem comando

Enquanto isso, em Paranaguá, o cargo de prefeito está vago desde sexta-feira, quando Mário Roque (PMDB) sofreu infarto e se afastou do cargo para colocar ponte de safena. Ele está internado no Hospital Vita Batel e passa bem, mas não há previsão de alta. O vice Edson de Oliveira Kersten (PMDB) só será empossado na segunda-feira.