A partir da próxima semana 81% das prefeituras do Paraná vão entrar em férias coletivas, ou passarão a trabalhar apenas meio expediente, até o final do ano. O objetivo é cortar gastos com luz, água e telefone, para não ficarem devendo o 13.º salário no fim do ano.

Segundo o presidente da Associação dos Municípios do Paraná, Juarez Henrichs, prefeito de Barracão, apenas as prefeituras que não dependem dos repasses da união vão conseguir fechar o ano com as contas em dia. Algumas medidas do governo federal, como a redução do IPE e da arrecadação com o Imposto de Renda no próximo ano diminuíram a receita dos municípios.

Além disso a maior parte das prefeituras deve ao governo federal a verba do Programa de Formação de Patrimônio dos Servidores Públicos, uma espécie de 14.º salário do funcionalismo. Insatisfeitos com a obrigação do pagamento da contribuição, municípios de todo o país entraram na justiça para não pagar, mas a decisão foi favorável à união. Somente Curitiba tem que pagar R$ 700 mil ao programa. De acordo com Henrichs, 51% das prefeituras paranaenses não conseguem cobrir todos os gastos há três meses.