O deputado estadual Nelson Luersen, presidente da CPI do Pedágio, disse ontem que existem indícios de improbidade administrativa na licitação proposta em 1996 para o início do pedágio no Paraná e no próprio contrato de licitação assinado em 1997.

Entre os possíveis indiciados estariam o ex-governador Jaime Lerner, o ex-secretário de Transportes Heinz Herwig, o ex-diretor do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) Paulinho Dalmaz e representantes do Ministério dos Transportes. Em 1998, foi detectado indício de estelionato eleitoral no termo de redução unilateral da tarifa do pedágio em 50%. Em 2005, já no governo Roberto Requião, outra ação foi detectada: a Ata 17, que retirou todas as obras de duplicação da Concessionária Ecocataratas.