Um dos principais articuladores do apoio do PDT a Dilma Rousseff (PT), o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, está tiririca com os vacilos de Osmar Dias. Após a indicação do irmão, Alvaro Dias, para a vice de Serra (PSDB), Osmar poderia fazer uma aliança branca com os tucanos. Se mudar de lado, derrubaria a aliança PT-PMDB-PDT.

“O Osmar é candidato. Isso é uma interferência indevida do PSDB na minha legenda. O PDT tem uma posição definida: ou é apoio a Dilma, ou é apoio a Dilma”, disparou Lupi.

“Nunca vi isso”

Questionado sobre a declaração do correligionário, de que vai reavaliar sua campanha ao governo do Paraná, depois da subida da cotação de Alvaro, o ministro reagiu, irritado: “Que conflito é esse? Quem é que vai votar num vice? Nunca vi isso. O PDT está fechado unanimemente com Dilma”, disse. Lupi garante que uma aliança Osmar-Alvaro, em torno da candidatura Serra, será repudiada pela direção nacional do partido. “Tudo o que contrariar (o apoio ao PT) não vai ser aceito. E terá consequências”. Na tarde de ontem, Osmar Dias declarou ao portal Terra que, caso o PSDB confirme Alvaro na vice, ficará difícil explicar “uma disputa entre irmãos”, insinuando que pode desistir de disputar o governo.