Foto: Arquivo

Sérgio Guerra: PSDB não é fechado.

O presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), defendeu ontem em Curitiba – onde se reuniu com líderes tucanos paranaenses – candidaturas próprias do partido nas principais cidades do país e também nos estados em 2010. No entanto, ele não descartou aliança com o DEM em São Paulo, para reeleger o prefeito Gilberto Kassab.

Guerra procurou manter-se afastado da disputa interna entre o governador José Serra e o ex-governador Geraldo Alckmin, afirmando que uma aliança com os democratas é natural, ?mas só será discutida na convenção do partido?. O presidente do PSDB aposta que até o final do ano que vem, Serra e Alckmin devem entrar num acordo, sepultando as divergências atuais: o governador quer a reeleição de Kassab e o ex-governador quer candidatar-se para não ficar longe do cenário político.

Quanto à política de alianças, o senador revelou que o PSDB não é fechado e conservador, mas não fará alianças nem com quem o combate, nem com quem por ele é combatido. ?Atualmente, o partido tem um certo tumulto no seu quadro brasileiro de alianças. Entretanto, quem tem convicção do que quer não tem medo de alianças. Juntem-se a nós aqueles que pensam na mesma direção que nós pensamos?, disse.

Sobre o Paraná, Guerra elogiou a administração do prefeito Beto Richa em Curitiba, dizendo que ela serve de modelo para os demais administradores do partido e também defendeu candidatura própria para o governo do Estado em 2010. ?Tenho muita fé no PSDB do Paraná. Acredito que temos grandes chances, este ano, de reeleger o prefeito da capital (Beto Richa) e de conquistar o governo do estado em 2010. Temos líderes políticos muito fortes e de grande competência por aqui?, disse.

Guerra também criticou a nomeação de Edison Lobão (PMDB) como ministro de Minas e Energia, dizendo que ?em um momento de crise energética seria prudente o Brasil ter um ministro ligado à área?. A visita do presidente do PSDB a Curitiba faz parte de um giro pelo país que Guerra está realizando com o objetivo de orientar os diretórios estaduais de seu partido em relação às próximas eleições. Ainda esta semana, ele estará em Porto Alegre (RS) e Florianópolis (SC).