O principal adversário da reeleição de Beto Richa (PSDB) será definido hoje. O PT de Curitiba realiza suas prévias, que definirão, além dos delegados do partido, o candidato à prefeitura da capital, que deverá repetir, no pleito de outubro, a polarização das disputa com o tucano.

Disputam a preferência dos 5.070 filiados aptos a votar três candidatos, representando distintas correntes de um mesmo partido: a presidente estadual da legenda, Gleisi Hoffmann, do Campo Majoritário, que dá sustentação à política do presidente Lula; o deputado estadual Tadeu Veneri, de uma corrente dissidente, contrária às alianças com partidos de centro e direita que o PT buscou para governar o país; e o militante Luiz Herlain, representante dos movimentos populares base do PT.

Para o presidente municipal da legenda, vereador André Passos, mais que uma disputa interna, as prévias do PT possibilitam o debate de idéias e o contato com a militância. ?Com esses debates, teremos a possibilidade de apresentar uma proposta para Curitiba. Das idéias diferentes dos três pré-candidatos saíra o plano de governo do PT para Curitiba?, declarou.

A pré-candidata Gleisi Hoffmann reforça o discurso de que não há discórdia entre as três correntes que disputam a prévias. ?Somos um único PT, com o princípio da justiça social e da distribuição de renda. O que nos difere é a tática para chegarmos ao poder e implantar esse modelo em Curitiba?, disse.

Essa divergência tática foi o assunto que dominou os debates entre os três pré-candidatos nas semanas que antecederam o pleito de hoje. Enquanto Gleisi Hoffmann defende o diálogo com todos os aliados de Lula, Tadeu Veneri e Luiz Herlain descartam qualquer aliança com históricos adversários do PT em Curitiba. ?Muitos partidos que apoiam o governo federal (PDT, PP, PTB) historicamente estão do lado do grupo que administra o município nos últimos 20 anos. Defendemos um plano de governo totalmente diferente deste, não há possibilidade de estarmos juntos?, sustenta Veneri. ?Não me preocupo com alianças agora, mas defendo que conversemos com todas as forças aliadas ao governo Lula?, posiciona-se Gleisi.

A candidatura do PT é vista como a única capaz de fazer frente à reeleição de Beto Richa, apesar de o tucano ter quase 60% das intenções de voto, de acordo com as últimas pesquisas. ?Em 2000, o Cássio Taniguchi tinha essa mesma aprovação e o Vanhoni (Ângelo) quase foi eleito. Em 2004, por pouco o Vanhoni não venceu já no primeiro turno, mas depois acabamos perdendo. Chegou a hora de deixarmos o quase para trás e fazermos o prefeito de Curitiba?, disse André Passos.

Eles querem menos obras e mais atenção ao social

Foto: Fábio Alexandre

Aos 55 anos, deputado Tadeu Veneri disputa as prévias amparado pela bagagem de dois mandatos na Assembléia Legislativa e outros dois na Câmara de Curitiba. Veneri defende inversão de valores em seu plano para a cidade, ?com menos obras e mais humanismo, dando prioridade ao atendimento ao cidadão, oferecendo serviço público de qualidade e opções de lazer e cultura?. Veneri defende uma campanha diferente das últimas conduzidas pelo PT, ?com discursos e propostas firmes para enfrentar o atual modelo de gestão?. Com o apoio de petistas como o deputado federal Dr. Rosinha e a vereadora Professora Josete, além de diversos líderes sindicais ligados ao partido, Veneri defende que a legenda resista à tentação das alianças por conveniência. ?Se fizermos concessões à direita, estaremos nos convencendo de que em Curitiba tudo está certo, quando há muitas coisas por serem corrigidas.? (RP)

Foto: Allan Costa Pinto

Gleisi Hoffmann, 42, é a favorita para as prévias de hoje. Status alcançado com a tranqüila eleição para a presidência estadual do partido e com o bom desempenho nas urnas em 2006, quando, surpreendentemente, alcançou expressiva votação e, por pouco não derrotou o senador Alvaro Dias (PSDB). Esposa do ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, Gleisi conta com a simpatia do governo Lula e do PT nacional. Gleisi também defende uma Curitiba com ?gestão voltada menos para o asfalto, o cimento e o concreto e mais para o bem estar das pessoas. Primeiro reduzindo a pobreza, a fome e a exclusão, para depois pensar nas obras necessárias?. Como estratégia para a campanha à Prefeitura, Gleisi aposta nos resultados das políticas públicas do governo Lula. ?Vamos mostrar que muitos dos benefícios trazidos para Curitiba foram graças à iniciativa e recursos do governo Lula, como o Hospital do Idoso e a Secretaria Antidrogas.? (RP)

Foto: Arquivo

Candidato usuário de ônibus. É assim que Luiz Herlain, 60, posiciona-se nestas prévias. Militante dos movimentos populares e ex-conselheiro nacional do Ministério das Cidades, Herlain diz ter o perfil do usuário das políticas públicas. ?Protagonista da política de habitação de interesse social, usuário do sistema de transporte coletivo e da saúde pública?, Herlain diz conhecer na pele as necessidades dos cidadãos curitibanos. Entre suas prioridades para Curitiba está a redução do déficit habitacional na cidade, propondo uma reforma com investimento em regularização fundiária e moradias populares. Herlain aposta na participação popular na administração pública e defende um transporte coletivo intermodal na capital. ?O sistema de transportes não é integrado no centro da cidade e dos bairros, os custos estão superfaturados, a operação é lenta e não há intermodalidades.? (RP)