O procurador de Justiça do Ministério Público de São Paulo Arnaldo Hossepian foi indicado nesta terça-feira, 16, pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot para ocupar a vaga no Conselho Nacional de Justiça – órgão responsável pela regulamentação do Poder Judiciário – destinada ao Ministério Público nos Estados.

Os MPs de todos os Estados puderam sugerir um membro até o dia 31 de maio para a escolha da vaga. A indicação se dá três meses após Hossepian ter sido escolhido, com 939 votos, 58% dos votos válidos, no dia 28 de fevereiro, pelos promotores e procuradores de Justiça do MP paulista a ser o representante de São Paulo na disputa.

“Acredito ter cumprido o objetivo inicial, de construir um espaço impessoal e propositivo, aberta ao diálogo e fundamentada em uma carreira de 28 anos de Ministério Púbico”, declara Hossepian que passará agora por sabatina no Senado, em data definida pelo presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Durante sua candidatura na disputa interna em São Paulo o procurador sugeriu propostas como o aprimoramento dos sistemas de processo digital do Judiciário; a presença efetiva do Ministério Público em comissões para assegurar a posição do MP nos programas implantados pelo CNJ; a necessidade de repactuação da distribuição das custas judiciais, contemplando o Ministério Público dos Estados com uma parcela compatível com a sua dimensão em cada Estado da Federação; dentre outros temas.

Arnaldo Hossepian integra o Ministério Público de São Paulo há 28 anos, tendo exercido nos últimos três anos o cargo de Subprocurador-Geral de Justiça de Relações Externas. Foi Promotor e é Procurador de Justiça criminal, atuando na administração superior chefiada por três Procuradores-Gerais (Rodrigo Pinho, Fernando Grella e Márcio Elias Rosa). Hossepian também coleciona experiência fora da instituição, como secretário adjunto da Segurança Pública do Estado de São Paulo.