Aos domingos, o Paraná Online publica propostas dos principais candidatos ao governo

Com gargalos que levam ao transporte de doentes para centros maiores, a Saúde é um dos principais problemas da administração pública. Nesta segunda edição da divulgação dos programas dos candidatos, confira o que eles propõem para o setor.

OSMAR DIAS – 12 – PDT

Promover a integração dos serviços nas regiões metropolitanas, de suma importância para trazer conforto à população. A grande mudança será redistribuir atribuições com base na complexidade das demandas regionais; fortalecer os planos e conselhos regionais da saúde e melhorar a distribuição do atendimento de média e alta complexidade.

Estabelecer uma rede integrada de hospitais universitários no Paraná, por entender que é mais barato investir nos HUs do que construir novos hospitais. Em recente visita ao Hospital Universitário de Maringá (HUM), que atende a uma demanda de 120 municípios, sendo 30 da sua região metropolitana, o candidato encontrou uma estrutura tecnicamente competente e preparada, mas que sofre com a falta de recursos para ampliar a sua capacidade de atender à grande demanda. E assim como acontece em Maringá, a falta de estrutura atinge também os hospitais universitários de Londrina, Cascavel e Curitiba.

Dividir competências. Cada unidade poderá se especializar em alguns tipos de tratamento, organizando a triagem de pacientes e desafogando as emergências. Além do mais, a rede pode reduzir custos na hora de comprar conjuntamente medicamentos e insumos, bem como na hora de captar investimentos.

Criar, nas aglomerações com mais de 50 mil habitantes, núcleos de saúde integral, centros de especialidades básicas, rede contratada e conveniada de referência para consultas e exames especializados e outras ações que permitam à população local e das cidades vizinhas atendimento sem a necessidades de deslocamentos para grandes cidades.

Valorização dos profissionais de saúde. Para que isso aconteça, promover a formação, atualização e especialização de profissionais de nível médio e superior; apoiar estudos, pesquisas e desenvolvimento de novos materiais, medicamentos, sistemas, equipamentos e inovações tecnológicas para a saúde; fortalecer os hospitais universitários com investimentos em pessoal, instalações físicas e insumos, para torná-los referências em suas regiões.

Reorganizar, dinamizar e dotar os vários sistemas, centrais, unidades e institutos de atendimento ao cidadão com informatização, integração, regulação e controle dos serviços da saúde, implantando um grande sistema estadual informatizado e integrado. É dessa forma que contribuiremos para a democratização e facilidade de acesso à saúde.

BETO RICHA – 45 – PSDB

Ampliar o repasse estadual para a Atenção Primária à Saúde, Unidades Básicas de Saúde e Equipes de Saúde da Família. Melhorar a qualificação dos profissionais com programas de educação permanente. Implantar o prontuário eletrônico. Organizar rede de segunda opinião e telemedicina para apoiar os médicos que atuam nos municípios.

Criar Centros Regionais de Atenção Especializada em todas as regiões de saúde, diminuindo os deslocamentos dos cidadãos. Investir em equipamentos para exames especializados. Ampliar o acesso a exames de imagem, com a central de laudos à distância.

Promover mutirão para cirurgias de hérnias, próstata, varizes, fimose, amígdalas, adenóide, histerectomia, entre outras. Programa Mãe Paranaense para garantir que a gestante tenha assistência ao pré-natal. Toda gestante, ao iniciar seu pré-natal, terá definida uma maternidade para atendê-la. A atenção se estenderá também aos recém nascido,s, monitorando todas as crianças de risco até 1 ano de idade.

Rede de Atenção à Pessoa Idosa em todo o Estado. Apoiar os municípios para a implantação de ações de promoção ao envelhecimento saudável. Promover a ação nas áreas de assistência social, cultura e esporte, lazer e atividade física.

Rede de Atenção às Urgências e Emergências. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) nas 22 regiões do Estado até 2014. Criar o Disque Urgência, para dar apoio às equipes municipais em qualquer situação de urgência no Estado. Ampliar o número de leitos de UTI adulto e neonatal. Apoiar hospitais públicos e filantrópicos, tornando-os especializados no atendimento ao trauma e emergências e às principais causas de morte (Acidente Vascular Cerebral e Infarto).

Integração de ações na área de segurança pública, educação e saúde na prevenção do uso e implantar os Centros de Atenção para Usuários de Drogas, com foco especial para os usuários de álcool e crack. Transformar o Hospital São Roque, em Piraquara, em Centro de Referência para o tratamento de usuários.

Promover a qualidade de vida das pessoas portadoras de deficiência com a Rede Estadual de Atenção à Saúde da Pessoa Portadora de Deficiência e ações de prevenção e atendimento. Melhorar o funcionamento do Hospital de Reabilitação do Paraná.

Cumprir a Emenda nº 29, o que irá ampliar os recursos do tesouro estadual, aplicando os 12% previstos na saúde.

PAULO SALAMUNI – 43 – PV

Ampliar a presença da rede estadual no tratamento de enfermidades de média e alta complexidade, aumentando o número de leitos e racionalizando o uso dos hospitais. Dotar nossos hospitais de vocações específicas, que permitam o atendimento, a otimização dos recursos e a ampliação do público atingido.

O governo estadual atuará com mais ênfase nas áreas do diagnóstico e do tratamento de enfermidades de média e alta complexidade. Desburocratizar a questão dos medicamentos extraordinários e excepcionais, de distribuição obrigatória e gratuita, hoje alvo de inúmeras ações judiciais Programa Médico da Família ou Hospital nas Comunidades: Assinar acordo de cooperação com as Instituições de Ensino Superior Estaduais e Federal para criar cursos de Residência Médica e Especialização em Enfermagem, com o objetivo de trabalho de campo, visitando residências pré-cadastradas de baixa renda, onde atuará como médico/enfermeiro de família.

Programa Mutirão da Saúde: O programa envolve a visita de equipes de médicos e enfermeiros a localidades carentes nas grandes cidades e nas cidades desprovidas de rede hospitalar de qualidade.

LUIZ BERGMANN – 50 – PSOL

A doença e o sofrimento das pessoas não podem ser tratados como mercadoria e fonte de lucro para planos de saúde, clínicas, laboratórios, hospitais particulares e especuladores. O PSOL defende o fortalecimento do SUS, para que todos tenham acesso à saúde pública, integral, gratuita e de qualidade. Para mudar essa realidade, apontamos quatro principais eixos de ação:

Prevenção. Investimentos com saneamento básico, condições saudáveis e humanas de trabalho e de moradia, campanhas de prevenção e alimentação agroecológica.

Gestão e financiamento. A política dos governos tem sido hipócrita. Corta verbas para a saúde e enxuga o quadro de servidores, provocando a crise no sistema. Em seguida, privatiza serviços de saúde. O PSOL não admite a transferência da gestão para as mãos do setor privado. O SUS representa uma conquista dos movimentos sociais. É necessária a regulamentação da Emenda Constitucional nº 29.

Modelo de Atenção. Acabar com ,as filas para atendimento e exames. Contratar servidores em número suficiente, com jornada de 30 horas semanais. Criar serviços especializados para as vítimas de acidente de trabalho. Desenvolver políticas para a mulher, o idoso, a saúde mental, os agravos provocados pela violência, a compra de medicamentos.

Participação e Controle Social. O controle social deve ser reforçado, como garantia de prestação de bons serviços e de impedir as fraudes.