O senador Alvaro Dias (PSDB/PR) condenou ontem as manobras do governo do Partido dos Trabalhadores para sufocar a oposição no País. Entre outros exemplos, ele citou o encontro nessa segunda-feira do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com parlamentares da oposição com o objetivo de cooptá-los para apoio ao governo, alertando que o aliciamento não atingirá o seu partido, o PSDB, que se mantém firme na oposição propositiva que faz ao governo.

“Infeliz da nação que não tem oposição; infeliz do governo que não tem oposição. É evidente que um governo de áulicos não consegue ver os erros que comete, os desvios que pratica, as oportunidades que desperdiça. Oposição é fundamental não apenas no sentido democrático, mas é fundamental para que a administração se torne eficaz e atenda às aspirações da sociedade. Lamento profundamente que o presidente Lula tente, das mais diversas formas, amesquinhar a oposição, aniquilá-la no Congresso e levá-la à insignificância”, alertou.

PSDB

Ao sair da reunião de líderes no Senado para discutir a pauta de votações da semana, o senador Tasso Jereissati (CE) comentou o jantar de segunda-feira à noite que reuniu o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e um grupo de senadores da oposição, entre eles o senador Eduardo Siqueira Campos, do PSDB de Tocantins. Tasso disse que dialogar é bom, mas alertou para o espírito de cooptação dos senadores da oposição que ficou após o encontro:

“Dialogar é sempre bom, o problema é a versão que saiu do jantar de ontem, que tinha um espírito de cooptação. O líder do PSDB, Arthur Virgílio, também comentou o jantar. Segundo ele, o político tem que estar disposto a negociar o tempo todo, mas frisou que a oposição não aceita cooptação”, disse.