A bancada do PT na Câmara suspendeu, na tarde desta terça-feira, 5, a reunião na qual se discutia a posição que o partido adotará na votação da Medida Provisória nº 665. A suspensão foi decidida por dois motivos: principais: quórum expressivo de parlamentares e o início da reunião do Colégio de Líderes Partidários. Os deputados petistas remarcaram o encontro para as 16 horas.

O Palácio do Planalto e os demais partidos da base aliada pressionam o PT a assumir uma posição pública favorável à aprovação da Medida Provisória. A bancada do PMDB da Câmara, por exemplo, espera uma posição dos petistas para decidir também como votará na matéria.

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) disse que a decisão de suspender a reunião foi tomada devido à “não presença expressiva” de deputados do partido ao encontro. Segundo ele, 35 dos 64 deputados da bancada estavam na reunião. Os presentes decidiram, então, adiar a reunião na expectativa de que novos parlamentares compareçam no novo horário e também participem da decisão. “É para dar mais legitimidade à decisão”.

O líder do PT na Câmara, Sibá Machado (AC), saiu da reunião rapidamente para participar da reunião de líderes e não chegou a falar sobre o assunto com a imprensa.